fbpx
Automação Industrial
Conheça tudo sobre automação industrial através dos melhores artigos técnicos, apostilas e tutoriais online. Encontre vagas em automação industrial.

O que faz um técnico em automação e instrumentação industrial?

Hoje eu digitei no Google o termo “técnico em automação industrial”. Nada mais, nada menos que 862 mil resultados. Muita gente interessada, não? A pergunta “o que faz um técnico em automação industrial” também tem uma ocorrência grande em sites de perguntas e respostas.

E isso não é por acaso: a promessa de crescimento do setor é grande, especialmente quando se fala nos segmentos de óleo e gás, de petroquímica, siderurgia e infraestrutura. Os investimentos nesses setores serão maiores nos próximos anos e, sem dúvida, isso vai alavancar o mercado de automação.

Atribuições

Desde a elaboração de desenhos técnicos e diagramas lógicos à calibração de máquinas em campo, o técnico em automação industrial será uma pessoa chave em uma ou mais áreas de plantas industriais, de modo a cuidar do planejamento técnico de seu setor, da execução de projetos e das manutenções preventivas e preditivas. Veja algumas de suas atribuições:

  • Fazer a elaboração de diagramas lógicos e arquitetura de sistemas;
  • Preparar listas de I/O, elaborar telas em IHM (Interfaces Homem Máquina) e supervisórios;
  • Especificar hardwares de Controladores Lógico-Programáveis (CLPs) e programar neles, configurar redes, comissionar máquinas e realizar start-ups na planta;
  • Atuar em trabalhos de campo: painéis elétricos, partidas de motores. Fazer instalações e manutenção de painéis elétricos e de redes industriais (como a Ethernet);
  • Parametrizar inversores de frequência, soft-starters, transmissores, relés, multimedidores etc.
  • Executar manutenções corretivas elétricas, preditivas e programadas. Operar testes de funcionalidade e elaborar relatórios técnicos.

Na prática, com certeza o trabalho acaba sendo mais abrangente pois, dentro de uma planta, muita coisa pode acontecer. Ainda mais se tratando de startups.

Saiba mais neste artigo: Qual a diferença entre Automação e Instrumentação?

“Bagagem”

A época de ficar abrindo e fechando válvulas manualmente, ou descendo um sabão amarrado em um fio para medir o nível do tanque já se foi. O setor de automação industrial está constantemente evoluindo, e numa velocidade assustadora. Assim, os técnicos de automação e instrumentação industrial que antes faziam isso agora devem ter um know-how em diversas atividades relacionadas à automação.

Por exemplo, muitas indústrias exigem conhecimento prévio em sistemas de determinados fabricantes; configuração de CLPs; experiência prévia em startups e cursos de segurança para trabalhos em espaços confinados ou com eletricidade; conhecimento em AutoCAD™ e outros softwares de projetos.

Minha dica? Especialize-se!

Faça cursos. Defina qual seu objetivo e, só depois disso, invista seu tempo em cursos relacionados ao que vai lhe fazer atingir suas metas. Cursos como o da NR-10, por exemplo, são mandatórios e, muitas vezes, se você não o tiver, o máximo que vai conseguir entrar na fábrica vai ser na recepção.

Salários de um Técnico em Automação Industrial

Se você fizer uma busca rápida em sites de emprego, verá que as faixas salariais variam bastante. Na região Norte do Brasil, por exemplo, um técnico em automação pleno poderá ter um salário na faixa de 10 a 15 mil reais! Em Belém-PA há vagas em que o valor fica por volta dos 5 mil. Idem para Macaé-RJ, que é um polo bastante desenvolvido do setor petroleiro brasileiro.

Lá há muitas empresas multinacionais que pagam salários altos, e os valores poderão ficar por volta de 5 mil também. As menores faixas vão ficar por volta dos 1300, 1500 reais. Agora, claro, não se iluda.

Enquanto escrevia esse artigo, telefonei a um amigo que é gerente de projetos em um grupo grande de açúcar e etanol da região de Sertãozinho-SP. Ele me informou que é muito comum, no caso do grupo onde ele trabalha, oferecerem salários que beiram os 5 mil reais e o candidato declinar. Isso acontece principalmente quando o funcionário precisa viajar e ter uma carga de trabalho que envolverá os finais de semana e os feriados – o que é mais do que comum no trabalho de campo em indústrias.

Segundo ele, instrumentistas podem ganhar salários de R$ 1.300 a R$2.200 (níveis de 1 a 3), com adicional de periculosidade de 30%. Já os técnicos de instrumentação, de R$ 3.500,00 a 4.500,00 mais os 30%.

Leia também: Como encontrar um estágio técnico em automação industrial?

Em todos os casos, a carga de trabalho é, na maioria das vezes, bastante dinâmica. Mais do que isso, a responsabilidade é enorme, pois além de as ações do técnico estarem diretamente relacionadas com a funcionalidade e operacionalidade de processos industriais, a lucratividade do negócio está em jogo também.


87 Comentários
  1. Marcos V. Ribeiro Diz

    valeu pelo artigo.Sucesso

    1. Marcus Vinicius Diz

      Obrigado, Marcos. Sucesso!

    2. Mário Sergio Valentim Diz

      Eu trabalho com instrumentação desde 1971 participei da montagem e lecionei nas primeiras turmas de Técnico de Instrumentação do Senai de Santos. Aposentei e continuo trabalhando. Estou há 15 anos qualificando técnicos em instrumentação e Automação. Dou os parabéns pela iniciativa deste espaço que divulga uma profissão que sempre vai existir. O técnico de instrumentação é responsável pelo perfeito funcionamento dos Processos Industriais.É um profissional diferenciado pois além de seus conhecimentos específicos, que devem cada vez mais serem aprimorados, precisa conhecer muito bem as variáveis de processo tais como Temperatura, Pressão, vazão e nível. Estou fazendo a minha parte na Serttec em Volta Redonda. Já entregamos mais de 3000 certificados. E espero se Deus quiser continuar contribuindo mais um pouco.

      1. Marcus Vinicius Diz

        Seu depoimento nos incentiva a fomentar ainda mais o nosso blog. Muito obrigado, Mário.

        1. Mário Sérgio Valentim Diz

          TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO

          SER OU NÃO SER

          O técnico em instrumentação industrial é um expecialista em medição e controle de variáveis de processo. É uma das poucas profissões em que o técnico é admitido como técnico. Não existe alguém especializado em um processo específico de uma empresa, por isto ao ser admitido inicia-se o treinamento e o estudo dos equipamentos que este técnico vai brevemente começar a inspecionar e acompanhar. Se o indivíduo for admitido como instrumentista o foco muda. Ele agora compõe um outro grupo, também importante, que executa tarefas no campo. Este grupo não necessariamente possui os conhecimentos exigidos a um técnico. Algumas vezes o instrumentista aprendeu instrumentação acompanhando outros instrumentista e nem há necessidade de possuir CREA de técnico. A grande desvantagem do indivíduo que aprende na prática ou seja, “possui experiência”, é que raramente estuda os equipamentos. É o chamada serviço falado, lê-se pouco, quase não utiliza catálogos técnicos. Nestes casos a contração exige “experiência”: Instrumentista não é Técnico. Em alguns casos faz integração pela manhã e depois do almoço começa a trabalhar em um equipamento que nunca viu, mas são serviços de montagem ou calibração de equipamentos não há a necessidade de conhecimentos de toda a máquina e das VARIÁVEIS DE PROCESSO. Se você terminou um curso técnico, tirou seu CREA, está estudando ingles, espanhol ou chinês, não aceite outra vaga que a de Técnico em Instrumentação.

          Mário Sérgio Valentim

          Diretor responsável pelos Treinamentos da Serttec

    3. Eng Pastore Paulo Diz

      Sou engenheiro mecânico em projetos de mecanização e de automatização (especializado em projetos da mecânica fina pela USP de São Carlos, em 1982). O texto aqui abordado sobre o que faz o técnico em automação e instrumentação, está um tanto confuso, devido que o papel para técnico é o desempenho operacional, e ele não faz programas (softwares), quem faz softwares são analistas de sistemas e engenheiros de controle e automação, mecatrônicos. Sou técnico em mecânica e trabalhei em empresas que eu era responsável técnico por técnicos até hoje é assim, técnicos são operacionais, não elaboram nada, nem fluxograma, nem desenhos e nem softwares, a exposição do texto aqui pelo autor esta embaralhada, mistura funções com cargos de outros profissionais que são formados para atuarem no chão de fábrica, e quanto a salários a média é de R$ 1.500,00 para a maioria das empresas brasileiras, salvo raras exceções para empresas de grande porte possa chegar a R$ 6.000,00 no máximo e bruto, registrado em carteira, mas grandes empresas são uma grande minoria no Brasil, não são referenciais, o que são referenciais são a grande maioria das pequenas e médias empresas. O autor do texto tem que reavaliar cargos e funções dos profissionais técnicos e dos engenheiros, analistas de sistemas, o povo em tudo que lê acredita, se tu fala X ele pensa X, assim tem que falar a realidade de vida nas empresas, pegar pesquisa salarial não é a realidade, tem que fazer a tua pesquisa de mercado, se tu autor não fez tua pesquisa de mercado, então não diga sobre pesquisas da midia, não são reais são bem fora da realidade, e são voltadas as grandes empresas. Vivo no mercado desde 1982, sou pesquisador em tecnologias de pontas, e em entidades de pesquisas, os técnicos são direcionados e segmentados ao máximo a operar um sistema de controle do tipo CLP só e mais nada, não tem acesso ao protocolo, por que são operacionais, não são programadores. Técnico tem nível médio profissionalizante são em essência operadores de equipamentos mecatrônicos, não fazem planejamento de produção, não monta placas eletrônicas, a função deles é operar sistemas mecatrônicos, simplesmente ao que lhe cabe de acordo com a sua formação, assim se diga de passagem: cada macaco no seu galho.

      1. Angélica Diz

        Sou tecnica numa empresa de médio porte e meu salario é de 2000 reais e estou a 2 e meio na empresa, concordo com o eng acima pois muitas pessoas acham que irão enriquecer como tecnico e não é bem assim!
        Sou Técnica em Instrumentação pelo IFF e possuo crea!

        1. Eng Pastore Paulo Diz

          É muito bom dar um alô à todos que desejam galgar um campo, porém a luz da realidade, e não dizendo o que não seja verdade, mascarar o sol com uma peneira é fácil, e no dia a dia quem contam são os profissionais que pagam o mico, devido que tem patrões e funcionários mais alto que ficam além de tudo tirando voce, e isto eu já tive contatos, com técnicos que não se medem e acham que por que ganha um salário de R$ 1.000,00 ainda está bom, só que grande parte moram com os pais, assim não pagam aluguel, não pagam alimentação, e a empresa paga transporte, cesta básica, e almoço, extra, e Unimed, com carteira registrada é a lei, já os engenheiros em suma são autônomos, devido que o salário chega ao piso salarial que o CREA pede, raramente, raramente, quando na maioria são menores se estiver em empresa pequena, não média e nem grande. Assim, dizer que fulano ganha tal salário é fácil, o duro é provar o que ele ganha, se tá mentindo para elevar a autoestima dele, quem mente, ai é atrair vitimas para a arapuca. Técnico em suma, são técnicos e ganham como dito: – Sou tecnica numa empresa de médio porte e meu salario é de 2000 reais e estou a 2 e meio na empresa, concordo com o eng acima pois muitas pessoas acham que irão enriquecer como tecnico e não é bem assim! Sou Técnica em Instrumentação pelo IFF e possuo crea! Senhores do portal aqui, se não publicarem novamente meu depoimento, torno a ir para o Facebook, linkedin e outros sites aonde faço divulgações, ai não reclamem de novo por que atualizar os profissionais é muito bom, mas sem mentiras por favor. O melhor modo de um técnico se atualizar é fazer um curso superior, ai ele sai engenheiro, isto é de praxe, eu fiz isto, e não fazer cursinhos disto ou daquilo, isto não o torna melhor, o salário dele vai continuar igual, dentro de uma empresa, ai quando sai e busca outra oportunidade é contrato pela formação que tem de nível médio, e tantos cursinhos não irão dar a ele um salário maior que juiz, médico, engenheiro, ele nunca irá ganhar mais, a não ser que seja amigo de politico, e tenha “Qi”, ai meu camarada é outro papo, mas na maioria que conheço o salário de técnico chega ao máximo em R$ 2.000,00 e tem engenheiros que ganham R$ 2.300,00 se quizerem digo a empresa e busque a verdade, eu não minto, não tenho este costume baixo.

          1. Marcus Vinicius M. Silva Diz

            Prezado Eng. Paulo,

            tenho acompanhado todas as suas mensagens, seja via blog, seja via Yahoo Answers, Linkedin etc.

            Em primeiro lugar, e sem demagogia nenhuma, quero lhe agradecer por elas. Achar que para cada artigo que escrevemos sempre virão flores é um ledo engano. Se assim fosse, o mundo acadêmico, de onde surge o conhecimento teórico, e o mundo prático, de onde (na maioria das vezes) surge o conhecimento tácito afundariam em um brevíssimo tempo.

            Aliás, das críticas vêm o amadurecimento, e as suas me serviram bastante. Até então, não tive a impressão de ter escrito que alguém enriqueceria sendo técnico.

            Isso leva ao segundo ponto: penso que, por ter começado o texto falando em altos valores (cujas fontes são reais e estão citadas no texto e nas referências finais), isso pode ter gerado sua inconformação. Mas veja, logo em seguida exponho os valores que mais aparecem na prática, no mercado (que são menores). Expus também valores que obtive com um amigo, gerente de uma usina. Apesar de eu não poder divulgar a usina e o nome dele, tanto por profissionalismo quanto pelo fato de ele ser um amigo em quem CONFIO, pode ter certeza que o que escrevi é real.

            Real como tudo o mais que é divulgado nesse blog, pois tomamos um enorme cuidado em sermos verdadeiros, em informar e em acrescentar. Mesmo em nossas respostas às inúmeras pessoas que leem nossos artigos (e que consequentemente confiam em nós), procuramos respeitá-los e aceitar o que vier, positiva ou negativamente. Algumas ressalvas sobre suas colocações:

            É louvável fazer um curso de engenharia como continuação para a carreira – louvável e óbvio, pois isso faz parte de quem aspira crescer e sair de um salário que o possa estar incomodando, ou até mesmo frustrando-o.

            Não falamos de assuntos como “Q.I.”, pois o assunto foge do nosso conhecimento e princípios.

            Acreditamos fortemente que cursos trazem resultados – a questão é fazer o curso certo e estar em uma empresa que lhe valorize como profissional.

            Por último, o blog Automação Industrial veta qualquer comentário pejorativo, ameaças, ou qualquer outro texto, por mais que ele seja uma opinião expressa, mas de cunho depreciativo. Seu post anterior foi vetado por causa disso, no entendimento do moderador. E apesar de nesse seu último post termos recebido a ameaça de que você publicará seus textos no Facebook, LinkedIn etc., eu pedi pessoalmente ao criador do blog que o publicasse aqui. Assim, você ganha o direito de expressar toda a sua opinião e participar do nosso blog, mas também nos damos o direito de tornar público o que pensamos sobre seu post.

            Em tempo: o blog Automação Industrial, em seis meses, alcançou o número de 50 mil visitas mensais, e só perde para o Guia do Estudante e o Wikipedia no top 10 do Google.

            Este artigo que escrevi foi “curtido” 343 vezes no Facebook, tem 30 compartilhamentos no LinkedIn e 10 recomendações no Google Plus. Tudo isso mostra claramente que nosso blog é sério, tem publicações de profissionais de respaldo dentro do que propõe e, obviamente, possui uma aceitação altíssima na internet.

            Em outras palavras, não mentimos, não estamos aqui para brincar. E só estamos crescendo, no final das contas.

            Devemos isso aos nossos leitores, que confiam em nós.

        2. Marcus Vinicius M. Silva Diz

          Concordo com você, Angélica. Aliás, é difícil enriquecer mesmo sendo engenheiro aqui no Brasil.

      2. Marcus Vinicius M. Silva Diz

        Paulo, obrigado pelas contribuições.

      3. Mário Sérgio Valentim Diz

        DEFÍCIL É SER UM TÉCNICO NA ALEMANHA , ESTADOS UNIDOS, JAPÃO, CHINA…..

        O Brasil importa fábricas. O técnico deve estar preparado para inspecionar e comissionar projetos importados e concluídos. Tente acompanhar os fabricantes tabalhando no início de uma obra com quem realmente desenvolveu o projeto. Se onde você estudou não existia um laboratótio, foi só estudo teórico. Você não se especializou em nada.Muitos cálculos jamais serão utilizados na execução das atividades técnicas industriais. Hoje está faltando no mercado de trabalho profissionais com conhecimentos básicos de matemática, física e química. Muitos não sabem mais regra de três e potência de dez. Em muitas atividades industriais, realmente não há necessidade de calcular nada. Mas alguém precisa conferir os intrumentos e realmente conhecer as variáveis de processo: Pressão, Temperatura, Vazão, Nível. mas conhecer não significa projetar ou inventar o que já foi comprado pronto. Para manter equipamentos industriais funcionando basta um conhecimento razoável de inglês, Eletrônica, Comandos Elétricos, Instrumentação industrial e Controlador lógico programável. Provávelmente um curso técnico de um ano e meio sem laboratório para o treinamento individual ou mesmo uma faculdade sem atividades práticas torna-se ineficiente na formação deste profissional. Venha se especializar na SERTTEC.

      4. Francisco Diz

        Prezado Eng. Pastore Paulo:
        Estava realizando uma pesquisa na internet para ajudar meu filho de 5 anos num trabalho escolar sobre a minha profissão, quando me deparei com seu texto que demonstra uma realidade de … conto de fadas.
        Sou técnico em mecatrônica formado em 2003 e trabalho como Técnico de Automação num dos terminais marítimos da BR. Tenho que discordar de seu ponto de vista, pois o texto é coerente, ao menos, com a nossa realidade no setor onde trabalho. Pois é, sim, nós desenvolvemos, sim, soluções em automação, criamos telas IHM (inclusive utilizando programação em VBA) e corrigimos falhas na base de dados do sistema supervisório, desenvolvemos programas para CLP’s e configuramo-os, comissionamos partidas de plantas, especificamos hardware (CLP’s e UTR’s, instrumentos de medição para o campo, cabos de comunicação, servidores e PC’s para sistema supervisório), fazemos manutenção preventiva e calibramos instrumentos de medição, parametrizamos válvulas e inversores de frequência para motores, fazemos diagnóstico e manutenção em redes industriais e seus protocolos (Profibus, Fieldbus, Devicenet, Modbus e Hart), damos sugestões ao Detpo. de Engenharia da empresa, o qual sempre nos consulta e corrigimos erros (acredite) de projeto, pois nós temos a “famosa visão de campo”. Os trabalhos estritamente elétricos (manutenção em painéis, por exemplo) realmente não realizamos, porém, damos apoio para diagnosticar mais rapidamente a falha, uma vez que a automação também está cada vez mais presente nos painéis.
        A tarefa que você citou, a de operar estes sistemas, é exatamente do técnico de operações, o qual é responsável pelo bom andamento da produção. São eles que nos pedem, muitas vezes, melhorias no sistema e apontam os pontos que necessitam de correções para o bom andamento da planta, pois não possuem acesso aos protocolos e não são programadores… (nós somos)!
        A questão salarial realmente depende do porte da empresa. Porém, um dos meus amigos recebeu uma proposta muito boa de uma empresa terceirizada, a qual ele declinou por motivos familiares. Como eu disse, a nossa realidade pode ser diferente da maioria do país, porém, em momento algum, o texto vende ilusões. A verdade é que o salário é sempre compatível com as tarefas que são desenvolvidas, viagens a trabalho etc. A questão de “enriquecimento”, que também foi citada em outro comentário, é muito subjetiva e não pode ser analisada somente na visão do quanto se ganha, mas, também, ao que se gasta.
        Lamentavelmente, seus comentários não refletem, totalmente, a realidade de um técnico de automação. Recomendo que analise melhor as suas fontes de consulta e não subjulgue a nossa categoria de técnicos.
        Quero parabenizar o Marcus Vinicius, pois quando informamos nossa profissão a outros, percebemos um ponto de interrogação “estampado na testa” dos mesmos, pois não fazem idéia do que fazemos.
        Obrigado.

        1. Paulo Diz

          Em suma, existem exceções, e que em grandes empresas que são minoria neste pais, se possa galgar bons postos de trabalhos. Infelizmente, no nosso país as pessoas não se dão a entender como é um país tão grande, as diversidades de profissionais se voltam hoje a grande maioria que são de micros, pequenas empresas e de profissionais liberais, estes são os responsáveis que fazem o país crescer, no teu caso tu trabalha numa empresa de grande porte (uma das poucas que não são elas quem levam o país para a frente), quando eu já trabalhei para grandes empresas nacionais, multinacionais, universidades federais, estaduais, privadas, colégios técnicos e com a minha vasta experiência, creio ser um dos poucos mais notáveis, sou venerado em todos os cantos neste pais, hoje atendo a várias empresas, e muitos me procuram para solucionar problemas dos mais simples aos mais complicados, sou pesquisador do governo federal (um de meus projeto foi projetar um motor para uso em satélites em 2009/2010 no INPE), e desde 1983 atuo em mecatrônica, técnico em mecânica industrial desde 1973. Assim, carissimo profissional o que eu digo é em base da realidade dos fatos, fui professor em ciências da computação, sistemas de controle e automação, robótica, e todas as disciplinas em mecânica e mecatrônica, assim não encontro quem se bata a minhas convicções. Eu, vejo que algumas pessoas são orientadas a ocupar cargos de outras pessoas, não se atém a sua formação, eu nunca entrei na área de outro engenheiro, e já fui convidado a trabalhar como eletrônico, e não aceitei por que sou mecânico, com 30 anos em automação (formação com duas pós graduações em mecatrônica na USP e uma na Unicamp em robótica), tenho hoje no meu comando mais de 100 pessoas distribuidas em empresas na construção civil, manutenções em usinas hidrelétricas, ar condicionado, robótica, etc. e assim, penso que minhas palavras são reflexos de um governo que não se atém a investir em tecnologias, e as empresas praticam a exploração e vejo que tu é um dos poucos privilegiados, assim se gaba de uma boa posição que pode conquistar, mas é o correto, já outros uma grande maioria não tiveram uma oportunidade como a sua, e tiveram que abandonar a profissão, e eles é que os digam que neste país não somos valorizados, como deveríamos. Eu ao longo de minha vida nunca aceitei entrar na área de outro profissional, preferi ficar sem um ganho maior, do que tirar o emprego de alguém que precisava, deste modo nós profissionais que levamos a sério o crescimento de nosso país sabemos que cada profissional tem o seu espaço por merecimento. Aproveite tua posição nesta empresa, por que acaba, um dia tu irá se lembrar do que eu digo, já comi o pão que o diabo amassou, talvez isto ainda não tenha lhe chegado, mas chegará um dia, por que aqui neste planeta todos passam pelos mesmos caminhos, tenho filho também e acompanho a ele sobre o que é certo e o que seja errado, e lembre-se nunca prejulgue uma pessoa que tu não conheça. Sucesso e reflita que me atacou sem justa razão.

      5. Bruno Oliveira Diz

        Concordo com o Eng Pastore Paulo, sou técnico recém formado e entrei em uma empresa de médio porte e o salario inicial é 1300 reais. Trabalho na área de engenharia de projetos (AutoCAD), a mal das pessoa são se basear em salarios que veem na internet e começa o curso com essa ilusão que vão forma e ganhar 4, 5, 6 mil reais.

    4. juninho Diz

      estou fazendo um curso de tec em automação industrial pelo SENAI-AL, e eu tou lutando pra representar meu estado na olipiadas do conhecimento.

  2. Celestino Davi de Jesus Neto Diz

    Temos vagas aqui na Mineração. Quem quiser trabalhar com mineração de nióbio, tântalo e estanho com plataforma Rockwell e Factory Tlk, pode enviar CV.

    1. Luciano Cardoso Diz

      Boa tarde davi…..nos envie email de contato.

    2. Flávio Mota Diz

      Boa Noite Celestino Davi,

      Tenho interesse nas vagas na Mineração, qual é o email para enviar o CV??

      Grato.

    3. Teixeira Diz

      Celestino!!! Homem de Deus !!! Onde você está trabalhando?

      Abraços.

    4. Dario Viana Silva Diz

      Boa tarde Davi.Onde estae localizada essa mineração? E a que grupo pertence.Envia-me contato.

      sds

    5. HUDSON DE FREITAS Diz

      Celestino,como entrar em contato?

    6. João Daniel Diz

      Fala Davi….
      Tudo de bom!
      Abraço

    7. Willian Cardoso Diz

      Olá Celestino, sou Técino em instrumentação 5 anos de experiência se haver vaga para esta categoria gostaria de saber como faço pra candidatar?
      Abraços.

    8. Claudiomiro de Faria Andrade Diz

      Tudo bem Davi? Em qual empresa vc trabalha, pois é muito difícil encontrar alguém que trabalha com NiÓbio, eu trabalho na Anglo american em Catalão Goiás, acho que vc é da Fluminense se nao estou enganado. Boa sorte. Feliz ano novo

    9. Anderson Diz

      Bom dia!!..qual o local de SP que a mineradora taboca fica?!

      Agradeço pela atenção.

    10. Renato Machado da Silva Diz

      Olá Davi, tudo bem? faz tempo que não nos falamos, estou a procura de recolocação profissional. Para qual e-mail posso encaminhar meu CV?

      Renato Machado da Silva – Lençóis Paulista – SP. Ex aluno e amigo

      Abraço.

  3. Luciano Cardoso Diz

    Sucesso com novo trabalho…..

  4. washington luiz de barros (chitão) Diz

    Linha de artigo muito boa ,vou aproveitar para carregar quando alguem perguntar o que é um Instrumentista faz?

    1. Marcus Vinicius Diz

      Obrigado, Chitão! Abraço!

  5. Davi Somaggio Diz

    Muito bom este artigo!

  6. Marcus Vinicius Diz

    Grande Davi Somaggio, o maior expert em radares do Brasil. Obrigado!

  7. Gerci Diz

    Boa tarde
    Ótima idéia, pois estou na area de instrumentação ha 20 anos e este é que nos precisavámos como apoio em nossa area e sou um grande usuário dos produtos Smar.

  8. Jefferson da Silva Almeida Diz

    Muito bom blog, espero postar algo sobre logo!

  9. Kauê Leonardo G. V. Lopes Diz

    A intenção do site é excelente.
    Estão de parabéns!

    1. Thiago Damasco Diz

      Muito bom mesmo. Agora vai trabalhar rs.

    2. Marcus Vinicius Diz

      Obrigado, Kauê!

  10. Kendson F. Berger Diz

    Marcos, excelente artigo. Sou estudante em Automação Industrial e o artigo é muito valioso. Gostaria de maiores informações sobre cursos para especialização na área.

  11. J. Messias Coelho Diz

    Caro marcos,
    Trabalho com instrumentação industrial desde 1977. Tive a oportunidade de, sendo responsável por algumas plantas de uma grande petroquímica na Bahia, instalar os primeiros modelos de transmissores e controladores SMAR, esse orgulho para o Brasil, na época do incentivo ao aumento do índice de nacionalização na nossa indústria. agora faço projetos para a indústria de petóleo e petroquímica. Todo esse tempo me permitiu conviver com todas as fases da instrumentação: pneumática, eletrônico-analógica, eletrônico-digital… nos mais diversos tipos de indústria. Diante disso pude perceber que não podemos generalizar sobre “o que faz um técnico de instrumentação/automação”. Numa grande petroquímica, por exemplo, com equipes de 50 0u 60 técnicos, tem alguns trabalhando só com os analisadores on-line, outros só na oficina de instrumentação, outros com os equipamentos do láborátório de análise química, outros com os instrumentos de campo, etc… Numa fábrica de cimento para aplicação de azulejos o trabalho do instrumentista não é nem parecido com o trabalho do instrumentista da fábrica de suco, por exemplo. Entretanto, me parece, todo instrumentista completo, pronto para trabalhar com instrumentação e controle em qualquer ambiente industrial, além de conhecer instrumentação, tem que possuir bons conhecimentos de física, química, biologia, matemática, mecânica fina, informática, ótica, desenho, e até estética. Aliás é por isso que a instrumentação é LINDA!
    Um abraço, boa sorte e continue firme na área.

    Messias

    1. Marcus Vinicius Diz

      Excelente contribuição, Messias. Obrigado mesmo!

  12. Denizar machado Diz

    Fico lisonjeado por estar participando ja a 20 anos como profissional Técnico de instrumentação deste grupo a qual considero de profissionais de grande flexibilidade e crescimento no conhecimento tecnologico.
    Quero aproveitar para parabelizar a iniciativa deste site e os artigos aqui postados.
    Gostaria de informar que atualmente estou a disposição do mercado de trabalho e se algum dos colegas conhecer alguma vaga na área de instrumentação (Técnico, planejamento, projeto, fiscalização, inspetoria) estou a disposição. CREA-SP.
    meu contato: d-machado67@hotmail.com

  13. Diego Rodrigo Rosa de Morais Diz

    Davi como vc está velhinho? Fui seu aluno o Diego. lembra de Mim? Vamos conversar qualquer dia.

  14. jose carlos Diz

    Ola Celestino
    Esta longe .. um abraço
    José Carlos

  15. Leonardo Diz

    Otimo testo Marcus.
    abrimos um empresa a qui em Ribeirao da 2 anos(www.tetsistemi.com.br) e complicado encontra tecnico que entenda a responsabilidade que um tecnico tem em esse setor.
    muito fica atraido do salario ma depois 2 o 3 meses va siari para carga do stress.
    espero que com esso site muito tecnico entenda isso.

    obrigado.

    1. Marcus Vinicius Diz

      Obrigado, Leonardo! Sucesso ao seu negócio e sorte (a todos nós!) com nossos profissionais de automação.

  16. Marcilio Pongitori Diz

    A questão do que faz um técnico de automação e instrumentação é muito interessante, porem tenho enquanto empresa de engenharia e Professor em Faculdade de Engenhria tenho visto alguns problemas, tem saido muita gente no mercado com formação em automação que não conhece instrumentação. A maioria dos curso forma programadores com noções de controle e esquece de ensiná-los a calcular uma válvula por exemplo, no máximo conhecem um programa de dimensionamento, mas a fundamentação teorica ou se tiver que executar um cálculo na mão não sabem. Desta forma é importante o assunto para sabermos e cobrarmos dos cursos existentes que formem profissionais com conhecimento da instrumentação e de controle de processos.

    1. Marcus Vinicius Diz

      Concordo com você, Marcilio. Aliás, não me assusta a busca por profissionais especializados na nossa região. Não dá para dizer que falta emprego. Falta especialização e comprometimento.

  17. Castilho Diz

    MV, foi feliz na escolha do assunto,parabéns pelo artigo Castilho A&A Goiás

    1. Marcus Vinicius Diz

      Muito obrigado, amigo Castilho.

  18. Marcos Vinícius Vieira Diz

    Concluí meu curso de Instrumentação e controle a pouco tempo, e já vou começar o Curso técnico de automação Industrial. Eu gosto dessa área. Mas, eu sei que é dificil.. Bom artigo.Esse site aqui ta me ajudando bastante..

  19. João Daniel Diz

    Ótimo artigo Marcus, parabéns.

    1. Marcus Vinicius Diz

      Obrigado, João!

  20. Marcelo Augusto de Souza (maraugusto) Diz

    Parabéns pelo ótimo texto. Trabalhei 17 anos em Refinaria de Petróleo e agora estou trabalhando em Plataforma de Perfuração de Poços e vejo que as areás de atuação de um técnico em Automação são imensas. Por isso, acho importante os treinamentos especializados para facilitar a inclusão dos profissionais recem formados no mercado de trabalho. Abraços a todos. Marcelo Augusto

  21. João Carlos(Recife) Diz

    Excelente artigo, MV…………

    1. Marcus Vinicius Diz

      Vindo de um dos maiores nomes em instrumentação e automação no Brasil, é uma honra esse elogio. Obrigado, João Carlos.

  22. Willian Cardoso Diz

    Marcos, bom dia! Parabéns pelo artigo.
    Sou técnico em instrumentação e nesta semana que vem fui chamado a dar uma pequena palestra sobre, “o que um técnico em instrumentação faz?” Nas turmas do curso de Técnico em Eletromecânica no SENAI daqui da minha cidade (Barcarena – PA) e com suas dicas vai me ajudar bastante e também vou dar alguns exemplos de problemas rotineiros de um instrumentista e tentar fazer esses garotos a se interessar por esta área que é muito promisssora.
    Valeu e abraços.

  23. Marcus Vinicius Diz

    Ficamos felizes que tenha gostado. Ajude-nos divulgando o blog!

  24. Rogerio Gimenes Diz

    Caro Marcus,

    Parabens pelo trabalho.

    Só uma correção, em termos de salário, um técnico de automação pleno aqui no Brasil não ganha de 10 a 15 mil Reais nunca trabalhando no Brasil.

    Muito Engenheiro Pleno não ganha nem R$ 10.000,00 (10 mil Reais) nas principais regiões do Brasil, qto. menos um Técnico de Automação Pleno.

    Eu, sou exemplo disso, tenho quase 20 anos de experiência na área, inclusive experiência internacional e só tive oportunidade de ter salários
    em torno dessa faixa quando trabalhei na Alemanha.

    Aqui no Brasil, o Técnico em Automação Senior trabalhando embarcado nas plafaformas da Petrobras, com o melhor salário que a Petrobras paga nesse nível,, não ganha R$ 10.000,00 nem com todos os adcionais, PLRs, ajuda de custo, etc….

    Espero estar contribuindo com vocês.

    1. Marcus Vinicius Diz

      Caro Rogério,

      muito obrigado pela sua contribuição! Vale lembrar que os valores aqui divulgados foram adquiridos através de sites de emprego, exatamente com as palavras-chave “técnico em automação”, e em entrevistas com gerentes de indústrias que me confirmaram pessoalmente ou por telefone tais números. Obviamente, os maiores números são minoria no tocante às ocorrências naqueles sites.
      Sucesso e parabéns pela sua carreira.

    2. cristian Diz

      Ótima matéria… mas nem tudo são flores!
      Concordo com o Rogério.
      Pode-se encontrar bons salários nos grandes pólos, tipo São Paulo, Macaé e região (petróleo) e norte (mineração), porém em torno dos R$5k os melhores salários. R$10k~R$15k… pra técnico? Só com indicação política, eu acho!
      Sem contar que muitas vezes “paga-se o preço” para ter esse salário. Eu, tenho família e amigos no sul e vim pra Sampa atrás desta melhor remuneração.

      1. Viroto Eje Diz

        Nada, é operacional e salário no máximo em R$ 2.500,00

  25. Marco Censsão Diz

    Muito bom termos um espaço pra discutir as funções de um técnico de instrumentação bem como divulgar as oportunidades de emprego no setor. Abraços.

  26. joao henrique Diz

    Grande Davi …tudo bem por ai , te mando um grande abraço e desejo muito sucesso ai para voce nesta empreitada.
    Parabens marcos vinicius pela otima materia ,cada vez mais difundir informações da area de instrumentação e tambem valorização do profissional.

  27. Emerson Fernando Diz

    Olá para todos!
    Interesso-me bastante pelo tema e venho trabalhando nele já algum tempo na empresa em que trabalho. Obviamente, não poderia deixar de dar minha contribuição.
    Trabalho com Automação e Instrumentação à quase 20 anos, todos na mesma Empresa, e também tive a feliz oportunidade de lecionar por cinco anos, ambas as disciplinas no Colégio Técnico de Guaratinguetá – Unesp.
    Recentemente, participei de um fórum global de discussão deste tema, onde buscamos identificar qual a real qualificação e classificação de um profissional desta área.
    O que pudemos identificar é que a Automação e a Instrumentação se confundem em diversas empresas, e na concepção de muitas pessoas. E desta forma, as atribuições do profissional de automação e de instrumentação também!
    Em resumo, primeiramente, identificamos que a Automação pode ser caracterizada como uma disciplina independente ou como um conceito, que remete à “Pirâmide da Automação”.
    Desta forma, podemos ter profissionais que atuam em um dos níveis da Pirâmide da Automação, e profissionais que atuam em mais de um nível ou mesmo, em todos os níveis da Pirâmide, e além disso, com responsabilidades diferentes e formações diferentes, atuando em manutenção direta ou manutenção de sistemas, configuração de instrumentos e sistemas, especificação de equipamentos e sistemas, ou mesmo, gerenciando ou supervisionando equipes algumas destas atividades são equivalentes ou pertinentes a uma disciplina de Engenharia, e todos eles com o mesmo título ou cargo, “Técnico de Automação” ou “Técnico de Instrumentação”, ou “Instrumentista”, daí a grande variedade de entendimentos, e também, de salários.
    Enfim, a Automação, enquanto conceito, é uma atividade multidisciplinar, e sendo assim, existe dificuldade em encontrar profissionais com uma formação específica que possam atender as mais variadas demandas de trabalho nesta área.
    Por fim, cabe a cada empresa definir os limites de atuação deste profissional, qual a fronteira entre o Engenheiro e o Técnico, que muitas vezes também gera dificuldade devido a competência e formação variada.

  28. Roberto Carlos Soares Basseda Diz

    boa tarde Celestino ai ainda tem vagas como faço para entrar em contato?

  29. ildefonso barreto Diz

    E AI MESSIAS AINDA NAO APOSENTOU-SE
    BAERRETO

  30. Robson Santos Tavares Diz

    MV, bacana o seu artigo e as contribuições dos que o leram. Um abraço

  31. JAIR MASSOLA JUNIOR Diz

    Parabéns pela iniciativa! Mais um site relacionado a fantástica área de automação. Gostaria de saber quais as diferenças entres os cursos técnicos de Instrumentação, Instrumentação e Automação Industrial, Automação Industrial e Eletrotécnica com relação ao CREA (atribuições permitidas, limites de projetos, etc…) . Agradeço antecipadamente qualquer informação a respeito.

  32. Michel Canato Chamoun Diz

    Muito bom o artigo….a questão do declino dos trabalhadores por conta dos horários diferenciados é uma realidade dura e muito presente nos dias de hoje, trabalho em uma empresa fabricante de máquinas, estamos a aproximadamente 4 meses procurando mão de obra, para realizar start-up de plantas e não encontramos, no começo eles se animam com o salário, mas em seguida tomam um choque com o número de viagens, e os horários de trabalho peculiares……

    1. Wagner Cardoso Diz

      Ola Michel, pois então é muito dificil encontrar no mercado que esta livre ou aberto a ficar, dias, semanas e ate mesmo mês fora, trabalhando 12,15,24 ou até mesmo 25 horas num start up, por isso penso que quem esta no ramo e tem capacidade profissional e responsabilidade para fazer este tipo de trabalho, deve ser muito bem remunerado, porém estamos no Brasil ainda. Grande abraço!! parabens a todos pelos comentários e artigos.

  33. Lucas Santos (TRICOMEX) Diz

    Parabéns pelo artigo Marcus, muito esclarecedor e interessante! Um grande abraço meu amigo!

  34. Raphael Basílio Diz

    ótimo artigo, estou para começar o curso de automação industrial agora em agosto, gostaria de saber quais mais matérias fundamentais e cursos especificos para esta profissão, fico no aguardo de uma resposta, desde já agradeço aos amigos.

  35. Fernando Diz

    Existe a diferença entre a área de Automação Industrial e área de Instrumentação, pode se dizer que é a mesma?

  36. André Lucas Diz

    Gostei da materia. Eu trabalho com instrumentação há 10 anos, o pessoal sempre ver nosso área como elite, as vezes causavam ciume. Mas o profissional em instrumentação é completo, ele deve saber eletrica, mecanica, informática, fisica e muito mais… Gosto demais dessa área!

    1. Guilherme Santos Diz

      Oi André, tudo bem? Concordo com você.
      Profissionais bem qualificados dos setores de automação e instrumentação possuem conhecimentos abrangentes, principalmente no campo de Exatas.

  37. KARINA Diz

    Bom e no caso das mulheres , como ficamos na área de Automação Industrial..

  38. Igor Souza Diz

    Tenho 32 anos e me cansei de trabalhar na areá da construção civil. Quero entrar na industria, mas ainda não sei bem qual o curso que devo fazer, Automação ou Instrumentação.
    Ou teria que fazer os dois ? E qual curso complementar devo tomar para aprofundar meus conhecimentos e enriquecer meu currículo para futuras contratações ? Obrigado !!

    1. Marcel Diz

      Eu gostaria de saber saber tambem qual a sequência de cursos para se tornar um técnico de automação competente.

  39. matheus garcia patusco Diz

    Estou formando em fevereio de 2013 e queria saber a probabilidade de ja sair empregado,tenho enteira disponibilidade para trabalhar em qualquer Estado.

  40. Leslie Bagalho Diz

    Ótimo artigo.
    Estou atuando como eletricista tem 3 meses e gostaria de no futuro não muito distante atuar na área de automação industrial.
    A minha pergunta é: por onde devo começar? quais cursos me especializar?
    Por favor, se puderem responder para leslie.bagalho@yahoo.com.br.
    Obrigado.

  41. joao tulutty Diz

    O artigo ficou mt bom, e vejo mts interagir com muita ajuda aos iniciante assim como eu..

    mas ta faltando algumas respostas, isso deixa a mereçer. exclareça mais,com algumas respostas..como a do igor de souza!! boa noit

  42. Mario Martins Diz

    Tenho alguns anos na área de instrumentação e automação. Já trabalhei na fábrica, no controle de qualidade e depois na área de assistência técnica de um grande fabricante nacional, trabalhei na manutenção de uma indústria farmacêutica, como vendedor de materiais pneumáticos, como técnico de campo, orçamentista e mais tarde como vendedor de um integrador de sistemas. Lecionei instrumentação básica, automação, pneumática e controle cursos técnicos. Ha 3 anos eu iniciei o trabalho de implantação da área de automação em uma grande empresa de engenharia elétrica que tem feito alguns projetos de geração de energia na área de Bioenergia. Hoje nosso time tem 10 pessoas e nem todas tem formação especifica na área de automação ou instrumentação (alguns vieram de TI). Quero contribuir com um pouco da minha visão sobre alguns pontos comentados aqui.
    1 – Existem sim ótimos salários na nossa área em varias empresas e eles são destinados aos profissionais com características especificas, como forte conhecimento técnico, fluência em outros idiomas (inglês nem conta porque é básico na área de automação), habilidade comercial, postura profissional, capacidade de trabalhar sob pressão e alto grau de comprometimento.
    2 – O inicio da carreira não é fácil. Não basta um curso de automação ou instrumentação, por melhor que seja a instituição onde se estuda. O profissional de automação tem de ter em mente que ele jamais vai parar de estudar. Formação multidisciplinar é fundamental e ninguém paga antecipado por um produto que não conhece, portanto, para aqueles que querem entrar na área e chegar aos números já citados, é necessário mostrar que se merece, trabalhando muito com qualidade técnica. Alguns dos melhores profissionais de automação que eu conheço se formaram em outras áreas, como química, física, mecânica, informática, eletrotécnica e até em agronomia (eu conheço apenas um caso nesta ultima situação, mas é emblemático).
    3 – Network é importantíssimo para uma carreira de sucesso. Ser membro ativo da ISA e participar de eventos técnicos é o mínimo que se pode fazer para acompanhar o mercado e formar algum network.
    4 – A automação e a instrumentação são áreas muito amplas e não existe ninguém absoluto em nenhuma delas. Colaborar com o que se conhece para enriquecer o trabalho dos outros colegas de profissão é muito nobre e uma excelente forma de se construir network. Os profissionais de automação e instrumentação com as carreiras mais solidas foram professores em algum momento de suas vidas e muitos ainda continuam lecionando, muito mais pela paixão pela profissão e pela missão de ensinar do que pelo dinheiro que isso pode trazer.
    Espero ter contribuído um pouco com o ótimo debate que esta se formando neste blog.

    1. Guilherme Santos Diz

      Oi Mario, tudo bem?
      Foi uma excelente contribuição… Sem dúvidas será uma mais valia para os estudantes e profissionais que buscam referências aqui no blog.
      Obrigado por compartilhar seus conhecimentos conosco!

  43. EVERTON Diz

    Olá. Tenho formação Técnica em Instrumentação Industrial. Me formei no Senai de Lençóis Paulista-SP no ano de 2009. Fiz o curso de NR10 e NR33. No entanto o maximo que eu consegui foi um emprego de Auxiliar de instrumentista onde permaneci por um ano. Na minha opinião falta vagas pois sou cadastrado em vários sites tais como UDOP, INFOJOBS, VAGAS, ETC.. Entreguei currículos em varias Empresas e participei de algumas entrevistas, Sempre a mesma coisa. Experiencia.
    Então fui obrigado a desistir da Área.
    Moro na região de LINS-SP.

  44. Eduardo Diz

    Marcus!

    Sou responsável pela adequação a NR 12 , na empresa onde trabalho, sou formado em Técnico em Instrumentação e controle, registrado no CREA,gostaria de saber se posso emitir ART, responsabilizando pelo Laudo da adequação a NR12.

    Obrigado.

  45. Viroto Eje Diz

    Pelo que sei não. Quem assina é o engenheiro. Leia mais no google.com buscar Piso Treisc

Comentários estão fechados.