Conheça tudo sobre automação industrial através dos melhores artigos técnicos, apostilas e tutoriais online. Encontre vagas em automação industrial.

O que é Automação Industrial?

Neste artigo, vou me empenhar para resumir uma dos questionamentos mais recorrentes que temos aqui no site. Vou tentar oferecer aos nossos leitores, principalmente aos mais leigos, uma visão resumida sobre a dúvida: O que é automação industrial?

Afinal, o que é automação industrial?

Para entender o que é automação industrial, vamos primeiramente voltar aos anos 50.

Foi nessa época, também conhecida como anos dourados, que o termo automação começou a se popularizar. Assim, descrevia-se a movimentação automática de materiais.

Vale a pena destacar que desde a segunda metade do século XVIII o homem já estava tentando avançar no campo da automação quando o sistema de produção agrário e artesanal da Inglaterra transformava-se em industrial.

De volta ao século XXI, se você refletir por um instante, poderá notar o quanto a automação faz parte do nosso dia-a-dia: começando ainda pelo momento em que acordamos com o nosso despertador (rádio-relógio, smartphone, TV, etc.), já programado para ser ativado em um horário pré-determinado.

Não raro, esses sistemas estão interligados a diversos outros processos e redes de automação maiores, projetados e mantidos por técnicos em automação industrial e engenheiros.

Para ficar mais claro, pense no funcionamento de um metrô. Trazendo para a nossa realidade, o sistema de metrô – a grosso modo – é um conjunto de vagões que devem parar em locais pré-determinados ao longo de um circuito fechado. Entretanto, os próprios vagões possuem seus sistemas de automação.

Alguns exemplos são:

  • Fechar as portas
  • Aumentar gradativamente a velocidade a medida que se afastar da estação
  • Anunciar o nome da próxima estação através do sistema de áudio
  • Diminuir gradativamente a velocidade ao se aproximar da próxima estação
  • Parar na estação
  • Aguardar um determinado intervalo de tempo
  • Repetir ciclo

E indo um pouco mais afundo, também vamos perceber que os aparelhos de ar-condicionado presentes dentro de cada vagão do metrô possuem suas próprias rotinas automatizadas. Como, por exemplo, ligar caso a temperatura esteja acima de 25° C.

A história da Automação Industrial

Desde a pré-história, o homem já tentava mecanizar suas atividades. Não é por acaso que a roda, moinhos movidos por vento ou força animal e rodas d’água foram inventados. Essas invenções demonstram as primeiras tentativas do homem de poupar esforço para realizar seu trabalho.

A automação industrial começou a ganhar destaque na sociedade por volta da segunda metade do século XVIII, na Inglaterra. Foi nessa época que os sistemas de produção artesanal e agrário começaram a se transformar em industrial e foram desenvolvidos os primeiros dispositivos simples e semiautomáticos.

Entretanto, somente no início do século XX que os sistemas se tornaram inteiramente automáticos.

A necessidade de aumento na produção e produtividade fez com que houvesse diversas séries de inovações tecnológicas neste sentido:

  • Máquinas com capacidade de produzir com maior rapidez e precisão, comparado com o trabalho feito à mão
  • A utilização do vapor como fonte de energia, em substituição à energia muscular (manual) e hidráulica

Foi aproximadamente no ano de 1788 que James Watt criou o que pode ser considerado um dos primeiros sistemas de controle com realimentação. Tratava-se de um dispositivo de regulava o fluxo de vapor em máquinas.

Por volta de 1870, a energia elétrica começou a ser introduzida. Inicialmente, estimulou indústrias como a do aço, química e de máquinas-ferramenta.

A diferença entre automação e mecanização

Um ponto que vale destacar é a diferença entre a automação e a mecanização. Mesmo que em um primeiro instante estas duas palavras possam dar a impressão de ter um significado semelhante, seus conceitos são completamente diferentes.

A automação industrial permite realizarmos algum trabalho através de máquinas controladas automaticamente. Já a mecanização simplesmente se limita ao emprego de máquinas para executar alguma tarefa, substituindo o esforço físico.

Também já publicamos aqui um artigo explicando a diferença entre automação e instrumentação.

A utilização de computadores na Automação Industrial

No século XX, os computadores, servomecanismos e controladores programáveis passaram a fazer parte da tecnologia da automação.

Hoje, os computadores podem ser considerados a principal base da automação industrial contemporânea.

A partir desde momento, podemos começar a considerar que o desenvolvimento da tecnologia da automação industrial está diretamente ligada com a evolução dos computadores de um modo geral. Além disso, as redes industriais surgiram quando houve a necessidade de comunicação entre equipamentos e sistemas distintos.

Já em 1948, John T. Parsons criou um método que consistia no uso de cartões perfurados com informações que serviam para controlar movimentos de uma máquina-ferramenta. Este método foi apresentado para a Força Aérea, que investiu em outros projetos do Laboratório de Servomecanismos do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT).

Após alguns anos, isto acabou culminando em um protótipo de fresadora com três eixos com servomecanismos de posição. A partir deste momento, várias empresas privadas que fabricavam máquinas-ferramentas começaram a desenvolver projetos particulares. Foi assim que surgiu o comando numérico.

O MIT também desenvolveu a linguagem de programação APT (do inglês, Automatically Programmed Tools, ou “Ferramentas Programadas Automaticamente”) para ajudar na entrada de comandos de trajetórias de ferramentas na máquina.

O primeiro robô industrial

E finalmente em 1954 surgiram os primeiros robôs (do tcheco robota, que significa “escravo”) pelas mãos do americano George Devol, que alguns anos depois fundaria a fábrica de robôs Unimation. Inicialmente, eles substituíram a mão-de-obra no transporte de materiais perigosos, mas poucos anos depois, a GM instalou robôs em sua linha de produção para a soldagem de carrocerias.

Os processos de automação industrial continuaram a evoluir até chegar nos dias atuais, onde temos diferentes níveis de controle de automação industrial, explicados através da pirâmide da automação industrial.

Para você, o que é automação industrial?

Encerramos aqui nosso artigo com uma breve introdução sobre o que é automação industrial.

Vimos um pouco sobre o desenvolvimento da automação industrial ao longo da história e como a evolução dos computadores nas últimas décadas está diretamente relacionada com o aperfeiçoamento dos sistemas de automação industrial existentes hoje.

O que é automação industrial para você? Como você imagina a automação industrial daqui 50 anos? Deixe seu comentário e ajude enriquecer essa discussão.

24 Comentários
  1. Thiago Mendes Diz

    Muito bom, estou ansioso pelos outros artigos. Afinal eu vivo uma dúvida constante: se posso ou não trabalhar no ramo da automação industrial. Essa dúvida é porque sou graduando de Ciência da Computação, porém estou há um ano trabalhando em projetos de hardwares e automação dos mesmos.

    1. Anderson Mott Diz

      Thiago Mendes, você sendo um cientista da computação pode atuar em pelo menos em quatro vertentes com relação à automação industrial: desenvolvedor de sistemas, analista de sistemas, administrador de banco de dados e administrador de redes computacionais. Espero ter ajudado.

      1. Thiago Mendes Diz

        Obrigado Anderson, me ajudou bastante. Atualmente sou bolsista em um projeto sobre energia geotérmica, e estou no desenvolvimento de sistemas, gosto muito de trabalhar a implementação de protocolos e front-end. Bom, acho que estou no caminho certo. mais uma vez obrigado.

      2. Guilherme Santos Diz

        Concordo, Anderson!

    2. Guilherme Santos Diz

      Oi Thiago, tudo bem? Fico muito feliz em saber que está gostando dos artigos. Respondendo sua pergunta: Sim, você pode trabalhar em automação industrial. Como o nosso amigo Anderson já mencionou aqui nos comentários, sua formação levará a trabalhar (na grande maioria dos casos) com o desenvolvimento de sistemas.

      1. Thiago Mendes Diz

        Olá, Guilherme, tudo tranquilo. Obrigado pela resposta. Fico feliz em ler os artigos (que são muito bons) e ter o feedback de vocês. Abraços

      2. Hebert Diz

        Olá Guilherme, Thiago e Anderson.
        Achei muito interessante os comentários. Também tenho formação em Ciências da Computação e trabalho a 9 anos como Analista de Sistemas em sistemas corporativos. A +- 13 anos atrás fiz cursos no Senai durante 2 anos em período integral em Mecânica Geral (ajustagem, tornearia, hidráulica, pneumática, etc…). No momento estou estudando a possíbilidade de mudar de área para trabalhar na área industrial. Estou fazendo Pós Graduação em Gestão de Projetos, mas verifiquei que existe curso de Pós em Engenharia de Automação e Controle Industrial. Como é uma área que tenho interesse mas não conheço talvez eu mude para o curso de engenharia. Será que vale a pena investir neste curso para me introduzir neste segmento? Outra pergunta, vocês sabem informar qual a especialidade dentro da automação em que se trabalha com desenvolvimento de sistemas?

  2. Rubem Diz

    Muito bom o post, parabéns!

    1. Guilherme Santos Diz

      Obrigado, Rubem!

  3. Eduardo Diz

    Sou formado em tecnólogo em automação industrial e técnico em instrumentação industrial mas ate agora só consegui arrumar serviço como técnico em instrumentação na área de automação ainda não consegui não vejo muitos anúncios de vagas nessa área.

  4. Marcos Siqueira Diz

    Show!!!

  5. Gilberto Augusto dos Santos Metzker Diz

    Muito boa a iniciativa. Só para reforçar o tópico Automação vs. Mecanização, tive uma aula recente com o ilustríssimo Eduardo Mota no curso de Eng. de Manutenção, onde ele deixa clara a diferença entre Automatizar e Mecanizar algum processo. Compartilho com os senhores para reforçar mais ainda esses dois conceitos. Como o Guilherme Santos disse, a mecanização nada mais é que a troca do esforço humano pelo de uma máquina, como, por exemplo, um sistema de Portão Automático. Apesar de esse sistema trazer o nome “automático”, ele simplesmente torna o processo de abertura e fechamento do portão menos desgastante para o usuário, mas que não passa de uma mecanização, mesmo sendo acionado a distancia via controle remoto. Percebe-se então, que não há inteligência no processo. Menos ainda a possibilidade de mudança de execução dada à simplicidade do sistema. Já a automação, se fosse o caso, teria embutida em sua lógica alguma tomada de decisão, alguma inteligência (exemplo: uma linha de produção que possui “portões” de desvio do produto em linha quando o mesmo não atendesse a algum critério de avaliação. Percebem aí a inteligência?). Jogo essas afirmativas para confirmar se estou com o raciocínio correto.

    1. Guilherme Santos Diz

      Excelente Gilberto! Obrigado pela contribuição.

  6. Douglas Camargo von Hartenthal Diz

    Muito bom Guilherme. Observo uma grande confusão na terminologia. A designação de automação, instrumentação e controle muitas vezes se confundem e são usadas de forma errada mesmo em empresas de engenharia. Outra questão importante é a diferenciação de automação da manufatura e de processos contínuos. Para complicar um pouco mais deve ser tratado claramente a crescente automação de sistemas elétricos. Seria interessante abordar estas questões futuramente.

    1. Guilherme Santos Diz

      Douglas, obrigado pela sugestão! Já repassei para o pessoal aqui do blog.

  7. Marcos V. Ribeiro Diz

    valeu Guilherme, apesar de ter sumido aqui dos comentários sempre acompanho os posts.

    sucesso!

    1. Guilherme Santos Diz

      Oi Marcos, tudo bem?
      Tá sumido mesmo hein… rsrs.
      Abraço!

  8. will juma milton Diz

    A automacao nada mais nada menos doque ja foi primeiramente dito segundo • SILVEIRA, P.R., Automação e Controle Discreto. 6 edição.Santos-SP: Érica, 1998.

  9. Cláudio Diz

    Olá pessoal, acabei de passar nas provas da universidade federal de minha cidade para técnico em automação industrial, graças aos seus artigos e comentários escolhi a automação como referencia para o futuro, tenho como objetivo trabalhar em uma fabrica de veículos militares e espero que a automação me leve a esse objetivo! A partir de agora espero ganhar novos amigos por aqui para que juntos possamos automatizar todos os raciocínios. rsrs .

    Abraço a todos e muito obrigado pelas tantas explicações.

    Ps:me informem se o curso de Segurança do Trabalho oferecido pelo senaimt gratuitamente é uma boa opção para uma futura qualificação?

  10. ivan celio Diz

    OLÁ PESSOAL, EU ESTAVA EM DUVIDA A ESCOLHER O CURSO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL DEPOIS QUE VI ESTES SEUS COMENTÁRIOS E PELO O ARTÍGO DE NOSSO AMIGO GUILHERME SANTOS AGORA EU VOU FAZER SEM DUVIDA NENHUMA, OBRIGADO GALERA ……… AGORA SOMOS PARCEIRO VOU PRECISAR DE VCS EM

  11. wellington Diz

    me interesso em fazer o curso mas tenho interesse tbm em saber a media salarial no paÍs e no estado do RJ…
    obgd!

  12. Rafael Pedro Diz

    O Campo Nessa Area È Muito Expansivo Onde Vem Crescendo Cada Dia Mais e Mais, Portanto Esse Módulo Será de Grande Importância a Todos Nós…………………,

  13. Marcio Eugenio Diz

    Sempre muito bons os posts!! Parabéns!!!

  14. Ricardo Diz

    Olá Guilherme,

    Tenho formação técnica em Informática, mas pretendo migrar para Mecatrônica. Você me sugere fazer um outro nível técnico ou partir direto para o nível superior?

    Grato!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.