O que são Sistemas Supervisórios?

Historicamente, nos meados das décadas de 70 e 80, com o avanço da eletrônica e, surgimento dos microprocessadores, o computador se tornou uma peça chave nos diversos setores industriais. Surgiram também os primeiros sistemas supervisórios.

Basicamente, um sistema supervisório destina-se à capturar e armazenar em um banco de dados, informações sobre um processo de produção. As informações vem de sensores que capturam dados específicos (conhecidos como variáveis de processo) da planta industrial.

Para exemplificar, pense em uma usina de açúcar e álcool. Um equipamento essencial da usina para o processo de produção do álcool, é o gerador de vapor (popularmente conhecido como caldeira). A caldeira pode ser comparada a uma “enorme panela de pressão” e por isso mesmo requer um cuidado todo especial. A caldeira possui pelo menos duas variáveis de processo importantes: pressão e temperatura.

O que são Sistemas Supervisórios - Caldeira

Figura 1 – Imagem ilustrativa de uma caldeira

A caldeira por si só não fornece os dados de pressão e temperatura para o sistema supervisório. É necessário acoplar sensores inteligentes ao processo, que monitoram e fornecem os dados para o sistema. O sistema analisa e armazena as informações em um banco de dados e em seguida mostra o resultado em telas customizadas no computador do usuário. Os sistemas supervisórios são conhecidos como HMI/SCADA (Interface Homem Máquina e Controle Supervisório e Aquisição de Dados, respectivamente).

O que são Sistemas Supervisórios (Controle)

Figura 2 – Sistema supervisório na Sala de Controle de uma usina

Segue abaixo, alguns sistemas supervisórios em destaque no mercado:

Para um processo de produção industrial, pode-se citar as seguintes vantagens quando se utiliza um sistema supervisório:

  • Análise de tendências: baseado no histórico das informações do banco de dados, é possível tomar ações proativas para maximizar a produção da planta.
  • Alarmes:  sinaliza em tempo real, alguma falha no processo e registra essa falha no banco de dados para consultas futuras.
  • Operação remota no processo: intervenção no processo, a partir da sala de controle.
  • Geração de relatórios e gráficos:  É possível gerar relatórios e gráficos sobre os alarmes e tendências.
  • Aumentar a disponibilidade da planta: A partir das informações geradas em tempo real, permite identificar falhas e consequentemente otimizar as tomadas de decisão para manter a planta em operação (rodar o maior tempo possível sem paradas).

Bom pessoal, termino por aqui. Espero que tenham entendido o básico sobre sistemas supervisórios na automação industrial. Até a próxima!

Engenheiro eletricista, formado pela Universidade Federal de Itajubá. Atua à 9 anos como desenvolvedor de sistemas na área de automação industrial.

44 Comentários em O que são Sistemas Supervisórios?

  1. Raul Mazin disse:

    Prezado Anderson, você deixou de considerar o Software Vijeo Citect da Schneider Electric, hoje em dia um dos lideres de mercado.

  2. Você deixou de considerar a Elipse Software que é líder nacional em sistemas SCADA. http://www.elipse.com.br

  3. Olá Anderson, tenho lido constantemente os artigos deste site, são bem interessantes e instrutivos. Gostaria somente de atualizá-lo que atualmente a Rockwell Automation distribui o software FactoryTalk View SE no lugar do RSview 32 como supervisório.

  4. José Carlos Melo disse:

    Cara deixou de mencionar uma cassetada de supervisórios hoje existentes…

    • Anderson Mott disse:

      José Carlos Melo, o foco do artigo é despertar o interesse do leitor sobre o que é um sistema supervisório e suas vantagens. Citei apenas alguns sistemas que ouço falar no meu dia a dia de trabalho. Concordo com você que a lista de supervisórios existentes é bem extensa, inclusive para Linux. Obrigado por sua contribuição!

  5. Antonio Fernando IZZO disse:

    Prezado Anderson, Escrever sobre o assunto é muito bom, exemplificar fabricantes/fornecedor fica complicado. Para cada aplicação tem fatores que direciona o produto; Nos meus projetos aplico um supervisorio de fabricação nacional, onde possui interfaces para a maioria dos controladores e PLC’s do mercado e fator importante é de baixo custo, com um bom suporte pós venda que é dificil para fornecedores de grande porte.

    • Anderson Mott disse:

      Antonio Fernando IZZO, obrigado pelo seu comentário. Inclusive isto poderia ter sido citado no corpo do artigo. A escolha do sistema supervisório depende do tipo e tamanho da aplicação ao qual ele se destina. Neste caso, estamos falando de custo / benefício e suporte técnico do sistema. Não tem lógica o cliente comprar um “caminhão”, sendo que ele precisa apenas de um “carro”.

      • Luciano Santos disse:

        Caro Anderson Mott, muito bom o seu artigo sobre sistemas supervisórios, conhecia alguns do qual já tive oportunidade de trabalhar, porém hoje estou desenvolvendo sistemas supervisório em Delphi , usando tanto placas microcontroladas quanto PLC´s. O trabalho é dobrado mas é bem interessante.

        • Anderson Mott disse:

          Olá Luciano, desculpe pela demora na resposta. O Delphi é até legal de se trabalhar, eu fiz um projeto em Delphi na época da faculdade para monitoração de motores elétricos trifásicos. Até VB6 eu uso no meu dia a dia (isso sim é reinventar a roda!). Parabéns pelo seu esforço, e continue acompanhando o Automação Industrial.

  6. Rogério Gabriel disse:

    Hoje perderia toda a lógica da coisa se tivermos uma planta automatizada sem um sistema supervisório, isso só para exemplificar a redução da taxa de falha e disponibilidade da planta. Os benefícios superam de longe os custos.

    • Anderson Mott disse:

      Rogério Gabriel, obrigado por seu comentário e concordo com você. Porém, mesmo sabendo dos benefícios que o sistema supervisório oferece, ainda existem reclamações com relação ao valor de compra do produto.

  7. Rogério Gabriel disse:

    E completando… O Anderson disse “alguns sistemas supervisórios” e não todos!

  8. Ronaldo Antunes disse:

    Anderson, parabéns pelo artigo!
    Me deu uma ideia geral muito boa sobre o que são supervisórios… assim como também mostrou os principais softwares. Espero que continue publicando mais artigos aqui neste ótimo blog!

  9. Daniel Cunha disse:

    Anderson, parabéns pelo artigo…

    Hoje em dia temos sim vários tipos, marcas e formas de implementar um sistema supervisório em uma área destinada a processo.
    Em muitas plantas “pequenas” utilizam sistemas SCADA de diversas marcas no mercado e também existem sistemas supervisório de plantas maiores que exigem uma maior flexibilidade e integração e são conhecidos como DCS, exemplo que trabalho com SIMATIC PCS7.
    Continue postando mais artigos sobre sistemas supervisório, pois é um assunto que abrange muitas informações interessantes.

  10. diodao disse:

    Fale também sobre um pouco de supervisório predial. Eu uso o ADX da Johnson e as controladoras são da Alerton – rede BacNet.

  11. Parabéns pelos posts. Acredito que a idéia seja exemplificar o funcionamento e não fazer um merchan de marcas. Continue com seus posts e precisando de idéias para novos pode contar.

  12. Rafaela Souza disse:

    Ótimo artigo Anderson.

    Bem vindo ao blog.

    🙂

    • Anderson Mott disse:

      Rafaela Souza, muito obrigado.

      Sempre que puder, estarei compartilhando novas idéias e experiências sobre automação industrial. Creio que aqui seja o lugar certo!

  13. Hugo disse:

    Anderson,

    Parabéns pelo esfoço e dedicação para difundir a informação sobre os sistemas de automação, uma tecnologia que está em constante crescimento, onde existem várias barreiras e vários incentivos, para o crescimento.
    Espero os novos artigos.

  14. Anderson Mott disse:

    O artigo está atualizado com todas as sugestões propostas. Obrigado e não deixem de acompanhar o Automação Industrial.

  15. aleandro disse:

    Muito bom a sua explicação. Como estou começando na área preciso familiariza com algumas palavras técnica.

  16. Renato Veiga disse:

    Caro Anderson,

    Achei seu artigo muito interessante. Uma ótima introdução sobre o que são sistemas supervisórios para quem está ingressando no mercado de automacao.

    Abraco.

    • Anderson Mott disse:

      Veiga! Obrigado por seu comentário. O objetivo do artigo era este mesmo, passar uma idéia básica sobre o que é um sistema supervisório e sua importância. Continue acessando o Automação Industrial e contribua! Um abraço.

  17. bruno eduardo disse:

    olá eu curso Análise e Desenvolvimento de Sistemas, gostaria de saber se com essa graduação eu posso atuar como programador de clp, microcontroladores e robôs industriais, ou teria que fazer outro curso como mecatrônica, ou automação industrial, e qual a diferença entre mecatrônica e automação industrial voces podem me ajudar

  18. Cassyano PSantos disse:

    Caro Anderson,

    Seu artigo foi muito importante para meu aprendizado, to fazendo supervisão e controle de planejamento e processos, uma matéria to meu curso técnico e seu artigo foi muito util, pois isso é de dificil acesso até hoje na internet, só acho que você poderia escrever mas coisas tipo justificativas e tals, mas otimo artigo…

    abraços

  19. Matheus disse:

    Uma boa fonte pra quem não tem muito conhecimento de automação.
    Dentre estes softwares soh nao usei o indusoft e o processo view. Como desenvolvedor, minha opinião é que nenhum supervisorio ainda esta perto do ifix.

  20. JUAN MORETTI disse:

    Anderson, primeiramente obrigado por esta iniciativa do Automação Industrial!!! Sou técnico em automação e só tiver contato com o iFix no meu estágio. Qual a melhor maneira de se aprofundar em supervisórios, na sua sugestão, quando não se está atuando na área de automação, ou seja, do PC de casa? Desde já obridado!

  21. Hugo G. Silva disse:

    Olá Anderson Mott, gostaria de adicionar o conteudo do seu artigo em meu TCC, como faço para fazer as referencias? Utilizo o seu nome ou do site que hospedou ?

  22. Ivan R. T. de Moraes disse:

    Bom dia Anderson,

    Apenas para complementar as opções de supervisórios, existe também o PcVue da ARC Informatique, que a Metaltex está representando. Veja, http://www.metaltex.com.br/pcvue . Dentre as vantagens e recursos, pode-se destacar a capacidade de comunicação com diversos modelos de CLP, através do protocolo proprietário de cada um ou OPC.
    Muito bom o tema abordado e parabéns.
    Abraços

  23. kemisson disse:

    Olá, Alguém conhece o supervisório Common Tracking?

  24. Plinio Andrade disse:

    Olá Anderson Mott,
    Seria possível fazer uma nova pesquisa no tema e atualizar esse artigo? Acredito que alguns produtos já mudaram de nome. A Schneider, por exemplo, tem hoje o IGSS como um software para supervisão.

  25. Cleiton Porfirio disse:

    Prezado Anderson Mott com os sistemas supervisórios elimina-se a necessidade de existir outros softwares na automação industrial? Pergunto isto pois tenho interesse em estudar software para automação industrial mas após ler este artigo (muito bom por sinal) fiquei com a impressão que para entrar nesta área deveria desenvolver um sistema supervisório novo.

    • Plínio Andrade disse:

      De maneira alguma Cleiton Porfirio. Na indústria vários softwares se correlacionam com os softwares de supervisão. Geralmente, esses softwares utilizam dados do banco de dados do sistema de supervisão como os softwares de controle de produção por redes neurais utilizados em grandes indústrias.

  26. felipe cota disse:

    o rsview32 da rockwell é melhor ou pior que o FACTORYTALK View Studio Enterprise? qual a diferença entre eles?

    • Plínio Andrade disse:

      O rsview32 da Rockwell é um software de supervisão descontinuado. Hoje o FactoryTalk é o software de supervisão oficial da Rockwell Automation. Porém, apesar do market forte para tentar lançar o FactoryTalk como um produto completamente novo e atualizado o desenvolvimento de telas nessa plataforma utiliza dos mesmos recursos da plataforma anterior com itens pixelados e bibliotecas e recursos herdados do rsview32.

Deixe seu comentário...