Conheça tudo sobre automação industrial através dos melhores artigos técnicos, apostilas e tutoriais online. Encontre vagas em automação industrial.

O que são Sistemas Supervisórios?

Historicamente, nos meados das décadas de 70 e 80, com o avanço da eletrônica e, surgimento dos microprocessadores, o computador se tornou uma peça chave nos diversos setores industriais. Surgiram também os primeiros sistemas supervisórios.

Basicamente, um sistema supervisório destina-se à capturar e armazenar em um banco de dados, informações sobre um processo de produção. As informações vem de sensores que capturam dados específicos (conhecidos como variáveis de processo) da planta industrial.

Para exemplificar, pense em uma usina de açúcar e álcool. Um equipamento essencial da usina para o processo de produção do álcool, é o gerador de vapor (popularmente conhecido como caldeira). A caldeira pode ser comparada a uma “enorme panela de pressão” e por isso mesmo requer um cuidado todo especial. A caldeira possui pelo menos duas variáveis de processo importantes: pressão e temperatura.

O que são Sistemas Supervisórios - Caldeira
Figura 1 – Imagem ilustrativa de uma caldeira

A caldeira por si só não fornece os dados de pressão e temperatura para o sistema supervisório. É necessário acoplar sensores inteligentes ao processo, que monitoram e fornecem os dados para o sistema. O sistema analisa e armazena as informações em um banco de dados e em seguida mostra o resultado em telas customizadas no computador do usuário. Os sistemas supervisórios são conhecidos como HMI/SCADA (Interface Homem Máquina e Controle Supervisório e Aquisição de Dados, respectivamente).

O que são Sistemas Supervisórios (Controle)
Figura 2 – Sistema supervisório na Sala de Controle de uma usina

Segue abaixo, alguns sistemas supervisórios em destaque no mercado:

Para um processo de produção industrial, pode-se citar as seguintes vantagens quando se utiliza um sistema supervisório:

  • Análise de tendências: baseado no histórico das informações do banco de dados, é possível tomar ações proativas para maximizar a produção da planta.
  • Alarmes:  sinaliza em tempo real, alguma falha no processo e registra essa falha no banco de dados para consultas futuras.
  • Operação remota no processo: intervenção no processo, a partir da sala de controle.
  • Geração de relatórios e gráficos:  É possível gerar relatórios e gráficos sobre os alarmes e tendências.
  • Aumentar a disponibilidade da planta: A partir das informações geradas em tempo real, permite identificar falhas e consequentemente otimizar as tomadas de decisão para manter a planta em operação (rodar o maior tempo possível sem paradas).

Bom pessoal, termino por aqui. Espero que tenham entendido o básico sobre sistemas supervisórios na automação industrial. Até a próxima!