Conheça tudo sobre automação industrial através dos melhores artigos técnicos, apostilas e tutoriais online. Encontre vagas em automação industrial.

Robô como Serviço: O impulso que as empresas precisam para ganhar produtividade

Já pensou em contratar um robô para a sua empresa? Inédita em todo o mundo, uma nova modalidade de serviços e locação em robótica deve ser o impulso que a indústria brasileira tanto precisa para automatizar suas linhas de produção, proporcionando mais produtividade e competitividade em um mercado cada vez mais dinâmico e avançado.

Workshop Robô como Serviço (RaaS) - Pollux Automation

Para falar sobre essa novidade, a Pollux Automation e a Universal Robots (empresa dinamarquesa fabricante dos robôs colaborativos) promovem no dia 08 de março, das 8h às 11h, na Acij (Associação Empresarial de Joinville), o workshop “Robô como Serviço”.

O diretor presidente da Pollux, José Rizzo Hahn Filho, falará dos benefícios de “contratar” um robô colaborativo com início imediato nas linhas fabris, gerando resultados muito antes do esperado pelos empresários. “O Brasil tem uma defasagem muito grande neste setor, perdendo muito em competitividade para outros países. No Japão, por exemplo, que se destaca na robotização, são 400 robôs para cada dez mil trabalhadores. Nos Estados Unidos e em alguns países da Europa, chegam a 250, enquanto no Brasil são somente 10”, frisa o executivo.

De acordo com Rizzo, para se alcançar padrões melhores pelo menos 170 mil robôs precisariam ser instalados hoje no Brasil, sendo que durante todo o ano de 2015 somente 1.500 entraram em operação.

Com a novidade de aluguel de robôs colaborativos, em vez de investir em torno de R$ 400 mil para adquirir uma célula robotizada que pode sofrer defasagem tecnológica em poucos anos, o empresário paga em torno de R$ 12 mil por mês e conta com assistência e suporte técnico especializado sempre disponíveis. Na modalidade tradicional de compra, além do alto valor inicial para adquirir o robô, o investidor também terá custos mensais que podem ultrapassa R$ 20 mil com a remuneração de profissionais de robótica e manutenções.

Disponibilidade imediata

O prazo também é outro fator que favorece a escolha pelo aluguel de robôs. No Brasil, a espera para se ter uma solução robotizada pode levar até um ano, do momento da decisão até o pleno funcionamento do robô. Já no modelo de robô como serviço, o robô entra em operação em menos de um mês. “A Pollux Automation faz todo o mapeamento para identificar na empresa interessada onde é necessário instalar o equipamento. Também dispomos de um software avançado que simula com precisão o funcionamento do robô no espaço onde ele será instalado. Assim o cliente pode esclarecer todas as suas dúvidas em relação à forma como o equipamento funcionará após a instalação”, explica Rizzo.

Quatro empresas dos setores automotivo e alimentício, instaladas no estado de São Paulo  e em Curitiba (PR), já estão operando os robôs colaborativos na modalidade de locação com alto grau de satisfação. A expectativa é que três mil equipamentos neste novo modelo de negócio entrem em funcionamento nos próximos cinco anos, impulsionando a indústria brasileira.

Sobre o workshop

Os interessados em se inscrever podem acessar o site da Pollux ou ligar nos telefones 0800-606-0800 e (47) 3025-9050. A participação é gratuita e com número de vagas limitado. O workshop “Robô como Serviço” contará com exposições em:

  • Joinville (SC) – dia 08 de março
  • Curitiba (PR) – dia 09 de março
  • Campinas (SP) – dia 10 de março

Inscrição gratuita: Workshop Robô como Serviço (RaaS) – Pollux Automation

Questão de sobrevivência

Quando se fala em automação industrial, é comum pensar em cortes nas vagas de empregos. Ao instalar um robô, alguns postos de trabalho podem ser suprimidos, mas essa substituição geralmente está relacionada com atividades ou locais inseguros para o trabalhador e tem como objetivo minimizar condições insalubres ou de riscos ergonômicos, contribuindo para eliminar uma série de problemas ligados à saúde.

A tendência na automação é que, após a readequação dos funcionários, a empresa ganhe mais produtividade e competitividade frente aos concorrentes, garantindo a manutenção de sua equipe. Além disso, a robotização requer profissionais cada vez mais capacitados, e esta característica gera novas oportunidades de emprego qualificado. “A agricultura passou por esse processo de modernização e isso foi necessário para a manutenção da atividade no país. Um estudo do Boston Consulting Group (BCG) mostra que 25% dos postos de trabalho no mundo serão robotizados nos próximos dez anos. As indústrias que não seguirem por este caminho correm o risco de fechar por falta de competitividade”, avalia o diretor presidente da Pollux, José Rizzo Hahn Filho.

Por que robô como serviço

  • Atendimento especializado
  • Suporte permanente
  • Atualização tecnológica
  • Maior velocidade de implantação – captura imediata de resultados
  • Liberação de caixa para investimentos no core business
  • Não requer equipe interna de especialistas
  • Não requer manutenção de estoque de peças de reposição
  • Redução de IR e CS
  • Ganhos compartilhados devido a especialização, produtividade e escala de operação da Pollux

Sobre a Pollux

Atuando há 20 anos no mercado de automação industrial, a Pollux Automation é reconhecida como uma das empresas de tecnologia mais inovadoras do Brasil. Já conquistou mais de 200 clientes com suas soluções de engenharia de ponta, gerando vantagens competitivas importantes em diversos segmentos industriais.

Instalada no Perini Business Park, em Joinville (SC), a Pollux vem expandindo sua linha de atuação rapidamente, com um crescimento médio anual superior a 25%. A partir de suas raízes na área de sistemas industriais de visão, a empresa migrou com sucesso para o desenvolvimento de linhas de montagem, máquinas de inspeção, sistemas de rastreabilidade e soluções em robótica.

Mesmo em meio à crise no Brasil, 2015 foi um ano promissor para a Pollux, que registou faturamento superior a R$ 50 milhões, dobrando a receita de 2014. Hoje conta com cerca de 150 funcionários, 50 contratados só no ano passado.