Conheça tudo sobre automação industrial através dos melhores artigos técnicos, apostilas e tutoriais online. Encontre vagas em automação industrial.

Porque é importante a Gestão da Produção?

Olá pessoal do Automação Industrial, esse é o meu primeiro artigo aqui no blog e gostaria de iniciar com um tema introduzindo a linha que seguirei nos meus artigos. Vou escrever artigos sobre tecnologias envolvidas em gestão da produção. Essa área ainda é um pouco nebulosa porque envolve pelo lado da gestão os engenheiros de produção. E de outro lado as tecnologias para o chão de fábrica que estão muito relacionadas a engenharia eletrônica, mecatrônica, automação industrial, engenharia da computação, enfim quase todas as opções de engenharia se encontram quando a questão é gerenciar a produção de qualquer indústria.

Gerenciamento de Produção

A primeira coisa é responder a pergunta: Qual é (ou deveria ser) a coisa mais importante de uma indústria? Acredito que quase todo mundo diria que é fabricar o produto ou produtos com menor custo e máxima qualidade e no menor tempo possível de modo a gerar lucro e ser sustentável, qualquer coisa além disso seria suporte para se atingir esse objetivo, concorda comigo?

Algumas, poucas, perguntas que se faz todos os dias a respeito de gestão da produção:

  • Como se sabe o que se deve fazer e quando?
  • Quando um operador esta precisando de treinamento ou se um outro merece um bônus por ser mais eficiente?
  • Quais são as perdas durante a produção?
  • Os produtos fabricados tem qualidade?
  • Qual o percentual de defeito?

Vou tentar resumir aqui os procedimentos para se tomar a decisão de o que produzir, qual a quantidade e em quanto tempo:

  1. Existe uma necessidade de mercado, é claro.
  2. O profissional de Planejamento (conhecido como PCP ou Planejamento e Controle da Produção) planeja utilizando um módulo do ERP ou uma ferramenta de planejamento. A intenção é gerar as OPs ou Ordens de Produção que vão para do chão de fábrica e determinam o que deve ser feito, a quantidade, o prazo, etc.
  3. Com as OPs os responsáveis pela produção iniciam o processo de produção e fabricam (pelo menos tentam fabricar) o que foi pedido na quantidade e tempo planejados e com qualidade. Sabe quando isso acontece? Raríssimas vezes, e não estamos falando somente de indústrias no Brasil mas da produção em várias partes do mundo, incluindo USA, Europa e Japão.

E na maioria das indústrias o controle da produção é feito anotando os dados em papel e depois tudo isso é digitado em um planilha Excel, por exemplo, e de novo não estou falando somente da indústria brasileira, estou falando da indústria no mundo. Estranho né? A indústrias investem muito em ERPs para a gestão do que da suporte a produção e na hora de gerenciar o que da sentido a indústria, o que os americanos chamam de core business, utiliza-se anotações em papel e planilhas. É estranho mas é a realidade.

Porque é assim? A resposta melhor que encontrei foi que existem dois mundos em qualquer indústria, a produção e gestão empresarial. No início os ERP prometiam o gerenciamento completo da fábrica, incluindo a produção, mas com o passar do tempo a gestão da produção foi sendo abandonada em detrimento da parte financeira, recursos humanos, gestão de contas, compras, estoque, enfim tudo menos produção, porque é mais fácil construir um software que atenda a necessidade dessas áreas do que as necessidades da produção.

Em função disso surgiu nos Estados Unidos um conceito diferente de sistema (software e hardware) que fosse responsável pela gestão da produção, ou seja, da Ordem de Produção até o produto acabado e entregue ao estoque. Isso foi chamado de MES – Manufacturing Execution System – (mais uma sigla para a lista) ou seja Sistema para a Execução da Manufatura.

Mas porque Execução? Bem, alguém planejou o que fazer certo? O MES é responsável por gerir como esse planejamento será executado e apresentar os problemas que aconteceram e que podem ter influenciado no prazo, quantidade ou qualidade e consequentemente custo do que foi planejado.

O objetivo principal é coletar todo o tipo de informação em tempo real – tempo real é muito importante – e disponibilizar essa informação para os gestores tanto para tomada de decisão no momento do problema quanto gerando relatórios de histórico e assim aumentar a produtividade, ou seja, produzir melhor e mais com o mesmo recurso, esse é o desafio.

No próximo artigo vou detalhar um pouco mais sobre como é possível medir a eficiência da produção, quais são os indicadores e em que posição estão as indústrias no Brasil, até lá.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

7 Comentários
  1. Paulo Diz

    Fui professor na UNIFEI (Universidade Federal de Itabujá), porém surgiu um outro trabalho e por ser prestador tive que ir embora, mas que grande universidade. Saiba de meus trabalhos no meu site http://www.treisc.eng.br se houver algo que possam desenvolver estou à disposição.

  2. Emerson Rodrigo Dias Moroni Diz

    Caro Caique Cardoso, bom dia.

    Tive a oportunidade de participar de alguns workshops relacionados ao sistema MES e com isso tive um primeiro contato com as ferramentas e recursos. Por eu trabalhar em uma empresa de pequeno/ médio porte, onde o foco são fabricação de painéis elétricos e de automação, acabamos ficando um pouco fora deste tipo de aplicação, porém quero aqui parabenizá-lo pela iniciativa de compartilhar conosco sua experiência na área.
    Com certeza estarei acompanhando e aproveitando ao máximo essa troca de experiências.
    Abraços!

  3. Jercisley Rodrigues Diz

    Prezado Caique!

    Trabalho no ramo da mineração e a 9 meses precisamente comecei a fazer parte de uma equipe multidiciplinar que está desenvolvento o sistema MES na empresa em que trabalho.

    É meu primeiro contato com o sistema.

    Abaixo segue alguns recursos que o sistema disponibiliza:

    Apropriar tempo de parada da planta, permitir o gerenciamento adequado e eficiente do processo, considerando produção, qualidade, KPIs, paretos de falhas de equipamentos, controle de produção diário, mensal e por turno. Permitir completa rastreabilidade dos custos e da produtividade, disponibilizar relatórios de Disponibilidade, Utilização, Recuperação Metalúrgica, Rendimento Operacional, OEE, MTTR, MTBF por equipamentos e Linhas, Relatórios de eficiência de manutenção e controlar todo o ciclo produtivo do empreendimento.

    Porém com um delay de alguns minutos do processo online, devido o MES depender de informações de outros sistemas neste processo. Ex. SCADA, PIMS e LIMS.

    Parabéns sobre o tema proposto.

  4. Emerson Guerreiro Diz

    Prezado Caique!

    Excelente tema. Estarei acompanhando os próximos posts!

    Forte abraço,
    Emerson Guerreiro

  5. Jordão Diz

    Mestre Caique, bom dia!
    Parabéns pelo post!

    Adorei o seu artigo, pois é um assunto que vivenciou todos os dias.

    Trabalho há alguns anos com um supervisório que coleta dados de produção e todo dia é uma novidade que aparece.

    Estarei no aguardo por novos posts.

    Abraços.

  6. Vanessa Diz

    Parabéns pelo artigo Caique. Sou graduada em Engenharia de Produção Mecânica, porém, não estou trabalhando no momento e o seu post me proporcionou, de certa forma, um novo contato com a área, atualizando meus conhecimentos. Achei muito interessante e quero acompanhar os próximos artigos.
    Obrigada.
    Vanessa