Conheça tudo sobre automação industrial através dos melhores artigos técnicos, apostilas e tutoriais online. Encontre vagas em automação industrial.

O que são Redes Industriais? (Parte III)

Oi pessoal! Eu prometi no segundo artigo desta série, que esta parte seria sobre Redes Industriais. Porém, eu decidi colocar mais uma explicação sobre transporte dos dados, antes de falar, finalmente, sobre elas.

Então, neste terceiro artigo, vou falar sobre como é feita a transmissão dos dados pelo meio físico. Foi falado no artigo anterior que quando uma mensagem é enviada de um dispositivo para outro, ela passa por várias camadas até chegar à Camada Física, onde ela é transformada em algum tipo de sinal para que possa trafegar pelo meio físico utilizado.

Este sinal pode ser:

  • Elétrico: quando se utiliza cabos;
  • Luz: quando se utiliza fibra ótica;
  • Rádio, infravermelho, satélite: quando a transmissão é feita sem fios, ou seja, os sinais trafegam pelo ar.
Para que uma mensagem consiga percorrer o meio físico ela precisa ser codificada, ou seja, ela precisa ser transformada em alguma coisa que seja capaz de percorrer o meio físico que está sendo utilizado.

Vamos a um exemplo. Imagine que existam duas pessoas e cada uma delas esteja em um quarto. Esses quartos são vizinhos e existe no meio da parede um pequeno buraco que os interliga. As duas pessoas gostariam de se comunicar entre si, utilizando este buraco na parede, porém elas são mudas.  Então, é claro, que não dá para a comunicação ser feita através da fala. Existe em cada um dos quartos várias pecinhas com letras, números e sinais ortográficos escritos, onde é possível uni-las e formar palavras.

Assim, cada vez que uma das pessoas resolve mandar uma mensagem, ela coloca as pecinhas em ordem, de forma que a palavra que se quer enviar seja formada, e ela começa a jogar pelo buraco uma pecinha de cada vez (também em ordem). A pessoa do outro quarto vai juntando as pecinhas por ordem de chegada. Quando todas as peças são enviadas a palavra está completa no destino e a pessoa conseguirá ler a mensagem. Ambos os lados agem da mesma forma, formando palavras e enviando uma peça de cada vez para o destino.

Esse processo de transformar a palavra em pedaços para que a informação consiga “passar” por um meio físico (neste caso o buraco) e chegar ao destino é chamado de Codificação.

Veja Figura 1:

Figura 1 – Exemplo de codificação de dados
Figura 1 – Exemplo de codificação de dados

 

Na vida real, quando a mensagem chega na Camada Física, ela é vista por esta camada como uma sequência de bits. Esses bits são codificados, ou seja, são transformados em sinais (elétricos, luz etc),  são transmitidos por partes e são unidos novamente no destino final. Uma das técnicas mais simples de codificação é através de impulsos, onde um impulso significa bit 1 e a ausência de impulso significa bit 0. Com estes dois dígitos é possível codificar todo tipo de mensagem que esteja representada por uma sequência de bits.

Esse processo de enviar a informação por partes, ou seja, bit por bit é chamada de Transmissão Serial.

De acordo com [1] esse tipo de transmissão tem as seguintes características:

  • Os dados são transmitidos de forma menos complexa;
  • Há necessidade de apenas um canal de comunicação (por exemplo, cabo par trançado);
  • Menor velocidade na transmissão dos dados;
  • Menor custo;
  • E maior imunidade a ruídos.

Existem três formas de transmitir uma mensagem. São elas: Simplex, Half-duplex e Duplex. Veja abaixo a explicação de cada uma delas:

  • Simplex: neste tipo de comunicação a transmissão dos dados é feita de forma que não haja interatividade entre as partes que estão enviando a mensagem e as que estão recebendo. Por exemplo: a televisão nos fornece informações de vários tipos e nós não conseguimos interagir com ela. Quando o Willian Bonner nos dá “Boa noite” no final do Jornal Nacional, tem gente que até responde, mas ele não ouve.
  • Half-duplex: aqui, a comunicação ocorre entre todas as partes, porém, quando uma está enviando uma mensagem, a outra fica quieta e somente quando a primeira termina a transmissão, é que a segunda poderá enviar sua parte. Exemplo: walk-talk.
  • Duplex: neste modo, a transmissão e recepção dos dados pode ocorrer ao mesmo tempo. Exemplo: telefone. Quando duas pessoas estão conversando, elas podem falar ao mesmo tempo. Não é necessário que uma escute enquanto a outra fala.

O modo de transmissão utilizado nas Redes Industriais é o Half-duplex.

É isso ai pessoas. Agora sim, estamos prontos para o post sobre Redes Industriais!

Até mais!

 

Referências Bibliográficas:

[1] ALBUQUERQUE, P. U. B., ALEXANDRIA, A. R. (2009). Redes Industriais – Aplicações em Sistemas Digitais de Controle Distribuído. Ensino Profissional Editora.

[2] ALÍPIO, P.. Transmissão de Sinais Digitais. http://marco.uminho.pt/disciplinas/TELEMEDIA/TELEMEDIA-2003-2004/Tutoriais/telemedia2-alipio.pdf. Acesso feito em 11 de Junho de 2012.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

23 Comentários
  1. Eduardo Souza Diz

    Meus Parabéns pelo artigo Amiga, como é bom ver vc se dedicando um pouco do seu tempo para este tipo de atividade.

    Eduardo Souza.

    1. Rafaela Souza Diz

      Duuuuu….

      Obrigada.

      Q bom ver vc por aqui meu amigo.

      🙂

  2. David Diz

    Muito bom suas explicações usando exemplos simples para um bom entendimento. Até um leigo no assunto consegue entender como isto funciona.
    Meus parabéns, espero que continue com este excelente trabalho.

    1. Rafaela Souza Diz

      Olá David,

      Muito obrigada. Q bom q gostou.

      🙂

  3. marcos Diz

    ola excelente material e uma forma bem didatica de explicar.

    1. Rafaela Souza Diz

      Obrigada Marcos.

      🙂

  4. Marcio Cunha Diz

    Muito legal, esta parte foi a menor, mas a mais explicativa das três. Quem tiver interesse em mais informações sobre automação, recomendo também o site http://www.aprendereletronica.com.br

    1. Rafaela Souza Diz

      Oi Marcio,

      Obrigada pelo comentário.

      🙂

  5. Marcos V. Ribeiro Diz

    Continuando com uma explicação de fácil entendimento. Obrigado

    1. Rafaela Souza Diz

      Obrigada Marcos.

  6. Miguel Diz

    Parabéns pela iniciativa, achei ótimo o material trabalho com inversores de frequência e soft start e estou me aventurando a aprender um pouco mais sobre redes industriais, estou apenas engatinhando seu material foi ótimo para mim.

    Miguel Leme

    1. Rafaela Souza Diz

      Oi Miguel,

      Muito obrigada.

      Vamos divulgar, constantemente, materiais sobre este assunto. Continue acompanhando nosso blog.

      🙂

  7. Domingos Savio Diz

    Esta explicação ainda foi melhor que a da primeira parte. Acho que a segunda parte carece de mais alguns detalhes para iniciantes nesta área.

  8. Rafaela Souza Diz

    Oi Domingos, bom dia

    Realmente, explicar as camadas do modelo OSI e o processo de encapsulamento dos dados é uma coisa meio difícil de se entender. Por enquanto esta foi a melhor forma que eu achei de explicar…mas vou tentar pensar em alguma coisa para melhorar.

    Um colega do blog sugeriu um vídeo no Youtube que ajuda no entendimento.

    http://www.youtube.com/watch?v=QaZwabhBbCw

    Espero que ajude.

    🙂

  9. Osmar Diz

    ola excelente material e uma forma bem didatica de explicar.

    1. Rafaela Souza Diz

      Muito obrigada Osmar.

      🙂

  10. Thiago Alonso Diz

    Muito bom!
    Aguardando o proximo!!!!

    1. Rafaela Souza Diz

      Obrigada Thiago.

      🙂

  11. Willian Cardoso Diz

    VALEU MUITO BOM MESMO….
    AGUARDANDO O DE PROFIBUS..RSRSRS

    ABRAÇOS…

    1. Rafaela Souza Diz

      Oi Willian,

      Obrigada. O de Profibus sai na proxima semana.

      🙂

  12. Jacques Vigato Diz

    Rafaela, parabéns!
    Ficou muito bom os textos, se possível vamos manter o contato. Formei também na PUC de Poços de Caldas e estudo a área de redes industriais, no entanto, na área sem fio.

    1. Rafaela Souza Diz

      Oi Jacques,

      Obrigada por ter gostado.

      🙂

  13. Anderson Diz

    tEM ESSES ARTIGOS EM PDF???