fbpx
Automação Industrial
Conheça tudo sobre automação industrial através dos melhores artigos técnicos, apostilas e tutoriais online. Encontre vagas em automação industrial.

É bom as máquinas substituírem o trabalho do homem?

Desde a revolução industrial o medo de perder postos de trabalho para máquinas vem assombrando o homem em relação ao desemprego. Claro que, com o desenvolvimento exponencial da tecnologia, este medo torna-se cada vez mais justificável. Mas será que este medo procede? É bom as máquinas substituírem o trabalho do homem?

É bom as máquinas substituírem o trabalho do homem?

Para responder esta pergunta, separamos 5 razões pelas quais o homem deve agradecer este avanço.

  1. A resposta já existe há 2 décadas
  2. Trabalho braçal x Capital intelectual
  3. Substituição de postos de trabalho
  4. Redução no trabalho
  5. Padronização

Razão 1 – A resposta já existe há 2 décadas

Segundo o historiador Jacob Gorender, da USP de São Paulo, em um artigo publicado em 1996, intitulado Globalização, tecnologia e relações de trabalho, a revolução tecnológica foi retratada como grande responsável pelas baixas taxas de desemprego no Japão de 40 anos pra cá, como exemplificado no trecho a seguir:

“Se relacionarmos a revolução tecnológica informacional e a organização japonesa do trabalho à deflagração do desemprego estrutural a partir da década de 70, somos obrigados a constatar que precisamente o Japão pôde registrar taxas muito baixas de desemprego nos últimos 20 anos.”

Ou seja, a revolução tecnológica pode ser um agente inversor do desemprego ao invés de uma ameça aos postos de trabalho, como muitos pensam.

Razão 2 – Trabalho braçal x Capital intelectual

Com a disponibilidade de máquinas trabalhando em tempo integral, substituindo o trabalho braçal do homem, o trabalhador mundial passa a ser considerado como um “capital intelectual”, valorizado e que transmite e aprimora seus conhecimentos, habilidades e atitudes em prol do aumento no faturamento e desenvolvimento de uma organização.

Esta valorização da tríade conhecimento, habilidades e atitude só vêm a contribuir com a identidade do trabalhador, assim como com a qualidade de vida do mesmo.

Razão 3 – Substituição dos postos de trabalho

Segundo este mesmo artigo citado na Razão 1, cerca de 70% dos postos de trabalho que existiam há quatro décadas, não existe mais.Mas isso não é desesperador não, muito pelo contrário.

Os postos as quais a automação industrial e a revolução tecnológica substituíram são exatamente aqueles que não necessitam do desenvolvimento intelectual do homem.

Razão 4 – Redução no trabalho

Este aumento do faturamento graças à automação industrial e a revolução tecnológica fez, inclusive, reduzir a jornada do trabalho, uma vez em que as demandas são atingidas em menos tempo, em maior quantidade e com maior eficiência.

Máquinas são vem como um auxílio prático ao intelecto do homem, liberando o mesmo para desenvolver capacidades inerentes à sua capacidade de raciocínio.

Razão 5 – Padronização

Com a padronização de processos, o homem passa a ter um maior controle sobre a produção e logo uma redução significativa nos custos provenientes à utilização de matéria-prima, retrabalho e desperdício.

O ser humano, a partir dessa revolução, passa a ser melhor remunerado por hora de trabalho e possui condição mais satisfatória de crescimento e qualidade de vida.

Conclusão

A revolução tecnológica e a automação industrial contribuíram para o desenvolvimento do homem e a redução nas taxas de desemprego a nível mundial.

O medo de perder emprego para uma máquina assola aqueles que preferem utilizar o braço ao cérebro na hora de trabalhar, pois a tendência mundial é que estes postos de trabalho exclusivamente dependente de esforço físico sejam extintos, dando lugar a postos onde o conhecimento é o recurso principal.

Por fim…

Obviamente, essa revolução tecnológica também tem seu lado negativo. Trazendo para a realidade brasileira e de outros países emergentes, a falta de investimento do governo na educação dificulta a profissionalização da grande parte da população, dificultando o ingresso ao mercado de trabalho.

Comente abaixo se você acha que a substituição da mão-de-obra humana por máquinas é boa ou ruim e vamos ampliar essa discussão.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.

12 Comentários
  1. Fernando Jorge Diz

    Desenvolver tecnologias para eliminar parafusos ou eliminar mão de obra que aperta o parafuso eu não vejo avanço tecnológico, vejo sim, redução de custos e postos de trabalhos. Será um engano conviver num mundo puramente cibernético e robotizado e achar que o HOMEM faz parte dele!

  2. Gianluca Santos Diz

    A tecnologia avança tanto que daqui a pouco nem de ” mão de obra intelectual” os empresários irão precisar.

  3. Fernando Jorge Diz

    Concordo com você Gianluca! O desenvolvimento tecnológico é bom até quando serve ao homem, quando ele passa a substituir o homem instala-se um caus generalizado.

  4. matheusmk Diz

    Que cabeça fechada a de vocês, maquinas não se criam, muito menos se mantém por conta própria, isso de maquinas independentes é coisa de filme, o homem sempre será necessário nesse avanço, e como diz a matéria, quem se destacar pelo intelecto não precisa ter medo de ser substituído. Iniciei o curso de automação industrial e vejo que terei um bom futuro no mercado de trabalho se conseguir expandir meus conhecimentos.

  5. Fernando Jorge Diz

    Eu não me considero tão cabeça fechada assim! com relação à tecnologia e seus avanços, vejo os Estados Unidos como um grande provedor e financiador, enquanto a China se preparou e se apresentou como o grande produtor, transformador e fornecedor e pessoas do oriente ao ocidente impulsivos e grandes consumidores. “Quem se destacar pelo intelecto não precisa ter medo de ser substituído” confesso é uma frase muito bonita, entretanto mau definida! pois o mundo não é movido por intelectuais, até mesmo porque precisamos de poucos Stephen Hawking, muitos produtores e muitíssimos consumidores de produtos. Em 1970 a Volkswagen unidade de São Bernardo tinha 23 mil funcionários e produzia bem menos. Atualmente emprega cerca de 14 mil pessoas e produz bem mais e paga-se menos, isso é reflexo do avanço tecnológico. Talvez pessoas como você que têm a mente muito aberta, acham que cada Ferramenteiro (profissão bem remunerada na época e extinta), passou por treinamento e se qualificaram, transformando-se em técnicos em automação para programar, preparar e operar as linhas hibridas de produção com trocas automáticas de ferramentas, assim todos ficaram felizes e mante seus postos de trabalho.
    Não pense só em você, pense em um conjunto de indivíduos (sociedade), só assim verás que a tecnologia é bem vinda quando vem para servir ao homem, quando vem para substituir o homem ela traz grandes lucros a curto prazo e deixa sequelas a longo prazo.

  6. David Diz

    Temos que entender que a matéria por si só não é um posicionamento e sim uma constatação. É um caminho sem volta. Cabe a cada um buscar uma especialização, não importa a área, e achar seu lugar no mercado. Muitas profissões já foram extintas e muitas outras surgiram em função do desenvolvimento. Apenas como exemplo: antigamente os bancos eram lotados de pessoas que atendiam no caixa. Atualmente esse número foi reduzido drasticamente devido ao avanço da tecnologia e transações via internet. Em compensação milhares de novos cargos surgiram em função de manter essa tecnologia funcionando e com segurança. Temos que entender que não se trata de eliminação e sim de transformação, mudança. É assim que o mundo funciona desde sempre. Já disse o poeta Raul Seixa, “Eu prefiro ser, essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”. Corre lá e vamos estudar. Abraço!

  7. Fernando Silva Diz

    Não se trata apenas de estudar e se especializar para solucionar os problemas das baixas e extinções de postos de trabalhos. Trata-se de planejamento familiar, controle de natalidade, plano diretor para as melhorias nos IDH e etc. Isso explica o porque do tão crescente trabalho informal no mundo. Nenhum grupo de investidores no mundo, vai convocar um grupo de especialistas para projetar e desenvolver uma máquina que substitua numa linha de produção 500 pessoas, e depois de da máquina concebida com sucesso essa mesma organização vai abrir 500 novos postos de trabalhos para pessoas “qualificadas” com os mesmos salários e benefícios dos 500 postos extintos anteriormente na antiga linha de produção. Isto não existe!

  8. Aleilma Milene de Lima Diz

    Sou tecnica em segurança do trabalho e penso em fazer automação industrial no Senai MG este próximo semestre….o que acham?

  9. Felipe da Silva Toledo Diz

    Acho muito bom a automação, falando por experiência própria, sou técnico, o produto que eu vendo é minha própria mão de obra, sou técnico eletricista de elevadores, mas estudo eletrônica e automação, sou a favor da automação, sitarei o por que: uso ferramentas manuais para trabalho, uma delas é uma lichadeira 220V com uma potência boa, toda vez que eu a ligo para trabalhar, mesmo usando os devidos EPIs morro de medo de trabalhar com ela, parece que estou segurando um tubarão, porque se está ferramenta cair, mesmo com as proteções vai sair cortando tudo (fato que já ocorreu com um técnico da mesma área, ele deixou escapar a mesma ferramenta da mão e ela caiu sobre sua perna cortando uma artéria principal levando este técnico a oito), por isso eu tenho o pensamento que o lugar do homem não é atrás de uma máquina que o levaria a morte por um descuido, para apenas cortar um pedaço de ferro, mas sim atrás de livros e telas digitais desenvolvendo seu raciocínio, me sinto bem mais útil em uma escola desenvolvendo novas idéias do que fazer esses tipos de serviços.

    1. Felipe da Silva Toledo Diz

      Observação: levou o técnico a “óbto”.

    2. Fernando Silva Diz

      Observações: Citarei o porquê: e não! sitarei o por que:; lixadeira, e não! lichadeira; porque se esta ferramenta cair. e não! se está ferramenta cair; levando esse técnico a óbito, e não! levando este técnico a oito.

  10. Alexandre Diz

    Onde eu assino, Felipe Toledo? Concordo com vc em gênero, número e grau!