Conheça tudo sobre automação industrial através dos melhores artigos técnicos, apostilas e tutoriais online. Encontre vagas em automação industrial.

Alunos da Fatec Tatuí desenvolvem equipamento que transforma materiais descartados em peças de valor

Alunos do curso de automação industrial da Faculdade de Tecnologia (Fatec) de Tatuí, cidade localizada a cerca de 130 km da capital paulista, uniram dois aparelhos com funcionalidades distintas para um único objetivo: transformar materiais descartados em peças de valor para o setor industrial.

Alunos criaram aparelho que transforma material reciclável em peças

O extrusor desenvolvido pelos estudantes transforma garrafas pet em fios de plástico que são aproveitados por uma impressora 3D. De acordo com o aluno Lauro Fernando de Melo, em entrevista concedida ao portal G1, o quilo do fio de plástico rígido comercializado atualmente chega a custar em média R$ 150,00. Com o equipamento desenvolvido na Fatec, o investimento caiu cerca de 90%, chegando a apenas R$ 15,00 pela mesma quantidade.

A extrusão é um método comum no processo produtivo de filmes plásticos, chapas, barras e peças de metal e até mesmo de alimentos. A prensa hidráulica, ou extrusor(a), é o seu principalmente componente que força a passagem do material pela matriz (no caso do projeto dos alunos da Fatec, o plástico das garrafas pet) e controla o curso e a velocidade de extrusão.

Com o objetivo de elaborar uma ferramenta portátil, econômico, lucrativo e sustentável, os estudantes de Tatuí projetaram um equipamento de baixo custo, mas com boa qualidade. Responsável pelo curso de automação, o professor Marcelo José Simonetti assegura a capacidade do projeto que levou um ano para ficar pronto desde a elaboração até a execução final e garante que mesmo com a pequena dimensão, o extrusor criado tem ótima performance.

A expectativa do grupo de alunos é a de que o equipamento possa ser aproveitado em indústrias de vários seguimentos. O baixo custo pode atrair engenheiros e desenvolvedores de grandes peças que não querem gastar com ferro na elaboração dos moldes, por exemplo. “Com o aparelho eles podem fazer um desenho e desejar o que quiser criar”, explicou o estudante Weliton Melo ao G1.

Fonte: G1 / TV Tem