Norma NR-12: Uma Visão das Soluções de Segurança em Automação Industrial

Acidente nada mais é do que um evento não planejado que dá origem a morte, doença ou perda, sendo que no Brasil, temos mais de 400 mil acidentes de trabalho por ano, que matam três mil brasileiros (MTE).

Norma NR-12: Uma Visão das Soluções de Segurança em Automação Industrial

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) tem um instrumento que é a norma chamada de NR-12 (Norma Regulamentadora) que tem o objetivo principal, proteger operadores de Máquinas e Equipamentos, durante a operação e manutenção das mesmas, desde a origem do projeto, implantação, comercialização e manutenção da mesma.

Este artigo tem por objetivo principal entender a caracterização de acidentes em máquinas e equipamentos, entender as principais diretrizes da NR-12 no tocante a prevenção de acidentes, com vistas à aplicação da automação industrial e quais os arranjos de automação que atendem as categorias previstas na norma.

O que é a Norma NR-12?

A NR-12 é uma Norma Regulamentadora (é Lei no Brasil) onde define as técnicas, procedimentos e medidas de proteção para operadores de máquinas e equipamentos, a norma adota ordem de prioridade de segurança em sua aplicação:

  • Medidas de proteção coletiva;
  • Medidas administrativas ou de organização de trabalho;
  • Medidas de proteção individual.

A norma tem as seguintes dimensões na aplicação de segurança das máquinas e equipamentos:

  • Proteções Fixas
  • Proteções Móveis
    • Monitoradas Eletronicamente (Partida, Acionamento e Parada).
      • Sensores de Segurança
      • Relés de Segurança
      • Atuadores Elétrico-Eletrônicos

Para proteção de máquinas e equipamentos, a norma estabelece que a proteção seja por aplicação da Falha Segura, que é a capacidade dos dispositivos de segurança de colocar a máquina em um estado que impeça o seu descontrole, prevenindo o incidente ou acidente.

O estado de Falha Segura pode ser exemplificado por um sistema de segurança de um trem, caso ocorra uma falha, o estado de Falha Segura do mesmo é a sua parada e abertura das portas, eliminando o risco de acidentes.

Com isso podemos entender que falha nada mais é do que quanto ocorre algo de maneira diferente do normal e previamente esperado, isto é, foi mitigado em algum momento que poderia ocorrer e ocorreu de forma prevista.

Os principais desafios de aplicar a NR-12 do ponto de vista de sistemas de segurança elétricos e eletrônicos são:

  • Identificar os Riscos da Máquina ou Equipamento e definir uma Categoria de Segurança;
  • Especificar e implantar o sistema de Segurança para atender a Categoria aplicada;
  • Manter o Sistema de Segurança funcional durante todo o ciclo de vida da Máquina ou Equipamento.

Quando se foca em segurança de máquinas e equipamentos e atendem-se as diretrizes da NR-12, podemos obter benefícios, onde podemos destacar os principais:

  • Maior produtividade – aumento de disponibilidade do equipamento;
  • Aumento da vida útil dos equipamentos;
  • Evita custos indiretos por acidentes;
  • Valoriza a máquina na competitividade global (atende norma / legislação);
  • Em Safety Bus diminui-se o TCO Custo de Propriedade.

A primeira barreira a se romper para aplicar sistemas de segurança de máquinas e equipamentos é fazer o enquadramento de risco da mesma, cujo objetivo final é obter a categoria de segurança a ser aplicada, esta categoria se trata da operação unitária do operador frente ao equipamento.

Para obter a categoria de risco, as dimensões severidade do ferimento, frequência e tempo de exposição e possibilidade de evitar o perigo, formam um arranjo capaz de mitigar da operação de menor risco até a de maior risco, representando a maior categoria, com segue:

  • Categoria B <menor risco>
  • Categoria 1
  • Categoria 2
  • Categoria 3
  • Categoria 4 <maior risco>

Para poder atender as categorias de risco de acordo com a norma, aplicam-se equipamentos elétricos e eletrônicos (automação), entre eles podemos destacar abaixo, lembrando que suas aplicações para a segurança do operador, logo necessitam de atender as categorias apresentadas acima:

  • Chaves de emergência
  • Cortinas de luz
  • Scanner de segurança
  • Comando bimanual
  • Calço de segurança
  • Pedal de segurança
  • Chaves de emergência
  • Sensores magnéticos
  • Relés de segurança
  • PLC de segurança
  • Contator de segurança
  • Rede industrial com Safety (Profibus, Profinet ou ASIBus)

A Norma NR-12 na Automação Industrial

O principio de funcionamento dos sistemas de segurança iniciam na detecção, utilizando-se os diversos tipos de sensores pela máquina, estes sensores são conectados a dispositivos de avaliação, que podem ser relés de segurança, PLC de segurança ou a própria rede industrial Safety bus com seus dispositivos e a atuação, focando na monitoração dos dispositivos que fazem a partida, acionamento e parada da mesma, podendo ou não ter redundância, dependendo da categoria de risco avaliada e aplicada durante o projeto.

Para se atingir o grau de proteção de acordo com as categorias de risco (Cat B até Cat4) há um arranjo eletrônico que segue o princípio da Falha Sob Demanda (PFD), isto é, quanto maior a categoria deve-se elevar a confiabilidade do sistema, colocando-se equipamentos de redundância (diversidade) para se diminuir as possibilidades de falha do sistema de segurança.

Com o avanço das redes industriais, muitas delas já possuem o perfil Safety, que nada mais é do que a possibilidade de colocar os sistemas de controle da máquina ou equipamento juntamente com os sistemas de segurança, de acordo com a categoria acima mencionada.

Estas redes (por exemplo, Profibus, Profinet e ASI Bus), possuem duas funções chaves em seu protocolo, que é a Validação de Valores que circulam na automação e a Validação destas informações no Domínio do Tempo, com isso, o sistema de segurança tem prioridade sobre o de controle, uma vez Sob Demanda e coloca a máquina em estado seguro, atendendo as categorias mencionadas, os arranjos seguem os mesmos princípios apresentados.

Para implantar sistemas de proteção atendendo a NR-12, devemos seguir um roteiro geral, podemos listar abaixo os principais tópicos:

  • Foco na segurança (causa / consequência)
  • Conhecer a legislação / norma
  • Fazer a análise de risco
  • Determinar o nível de segurança
  • Especificar equipamentos de acordo
  • Elaborar projeto aderente
  • Escrever o Manual
  • Implantar
  • Obter a ART (Eng. Responsável)
  • Treinar
  • Monitorar

Em função das mudanças que ocorreram em segurança de máquinas e equipamentos nos últimos tempos, podemos observar algumas tendências que se despontam como um horizonte:

  • NR-12 ser popularizada (tende a ser editada);
  • Aumento da automação para uso de segurança eletrônica;
  • O escopo de a automação iniciar na fase da mitigação de riscos.

Concluímos a partir da importância da segurança de máquinas e equipamentos que:

  • A segurança operacional é base da sustentabilidade da indústria;
  • Pessoas, comunidade e meio ambiente devem ser o foco da segurança;
  • Não existe investimento que se sustente sem segurança operacional.

 

Márcio Venturelli trabalha no Mercado de Automação Industrial há 25 anos, tendo trabalhado em departamentos, tais como, Assistência Técnica, Treinamentos, Engenharia e Negócios. Trabalhou em diversos Projetos de Implantação de Sistemas e Automação e Controle Operacional de Plantas de Bioenergia, Transformação e Manufatura, no Brasil e no Exterior. Atualmente trabalha em Desenvolvimento de Soluções e Tecnologias para Otimização e Convergência de Sistemas de Automação Industrial, como foco em Conectividade e Redes de Comunicação Industrial, desenhando Soluções que tenham Aderência para a Indústria 4.0. Professor Universitário de Pós-Graduação de Automação Industrial e Gerenciamento de Projetos. Membro Sênior da ISA (Sociedade Internacional de Automação), Diretor de Tecnologia da ISA Distrito 4 (Brasil) e Diretor de Tecnologia Safety Bus da PI (Profibus/Profinet Internacional). Graduado em Ciência da Computação, com Especialização em Controle e Automação Industrial, Pós-Graduado em Gestão Industrial, Pós-Graduado em Tecnologia do Petróleo e Gás e Possui MBA em Estratégia de Negócios. Técnico nas Áreas de Eletrônica e Eletrotécnica.

10 Comentários em Norma NR-12: Uma Visão das Soluções de Segurança em Automação Industrial

  1. Wander Pires disse:

    Parabéns Márcio, gostei do artigo, bem informativo.

  2. Jorge William disse:

    Ótimo artigo Márcio, focando o emprego da automação em outras áreas. Parabéns!

  3. Obrigado pelos comentários. !

  4. alexandre de Oliveira dias disse:

    Show de bola vale a pena conferir. ..

  5. Terezinha Menezes disse:

    Obrigada por ajudar- me com seus conhecimentos, eu não tinha a miníma noção do que fosse automação industrial,graças ao senhor consegui realizar um trabalho da faculdade.

  6. Adriana Oliveira Menezes disse:

    Marcio muito boa sua explicação me ajudou bastante, show de bola parabéns

  7. ótimo artigo , na sua visão qual neste ramo qual o desenvolvimento esperado de um técnico recém formado em eletrotécnica ?

    • Olá Jeisrael
      Obrigado pelos comentários.
      A área técnica é e sempre foi de grande importância na automação, em relação a NR-12 há uma demanda por profissionais que realmente consigam configurar e comissionar sistemas de segurança em máquinas.
      Fica a dica.
      Boa sorte
      Márcio Venturelli

  8. Antônio Fernando Xarão disse:

    Prezado márcio , Boa Noite ! Excelente o seu artigo sobre NR-12 e a automação Industrial . Na sua visão um painel de automação com uso de CLP e inversores de frequência , para controlar os motores dos condensadores de refrigeração industrial devem atender a NR-12 em qual categoria ? O painel possui botão parada de emergência que se sobrepõe a todo o comando e retorna somente pelo operador soltá-lo . No CLP foi criada uma rotina de segurança para manutenção com senha e reset manual para ativar o comando do sistema após realização de manutenção . A tensão de comando é 24VCC .Importante salientar que os condensadores estão em local longe da sala de maquinas e possuem acesso restrito ,pois estão no patamar técnico na cobertura do prédio .
    Neste caso e na sua visão qual categoria é a mais adequada para atender a NR-12 ? Em se tratando de painel elétrico de automação não podemos deixar de atender também a NR-10 ?

    Obrigado pela sua atenção !

    Antônio Fernando Xarão

    • Olá Xarão, obrigado pelos seus comentários.
      Quanto ao questionamento em relação a qual categoria atender a operação dos condensadores. R. eu realmente não tenho como responder desta forma, uma vez que não conheço o funcionamento do equipamento, peço que veja o slide (8), tente enquadrar o tipo de operação, lembrando que NR-12 é para o operador e não equipamentos (esse é um dos maiores erros de conceito que vemos para análise) daí trace alguns cenários, também sugiro que fale como fabricante.
      Quanto ao questionamento da NR-10, R. claro que é necessário atender a norma, todavia são questões diferentes, NR-10 é norma de segurança elétrica, para habilitação de manutenção e operação de sistemas elétrico (sei que sabe disto, mas vou responder aqui para ilustrar nossos leitores), o painel, os compostos elétrico e os procedimentos devem estar enquadrados. Muito obrigado. Márcio Venturelli

Deixe seu comentário...