Medição de nível: Radar, o grande injustiçado!

Quando falamos de medição de nível e pensamos em uma tecnologia de ponta, o que nos vem à cabeça normalmente é o medidor de nível do tipo radar, certo? Essa é uma realidade atual, mas mesmo sabendo que a tecnologia proporciona uma maior precisão e estabilidade, o radar não é 100% aplicado nas diversas medições de nível e um “preconceito” ou até mesmo uma antipatia ao medidor por conta do desconhecimento da tecnologia são notáveis.

Medição de nível: Radar, o grande injustiçado!

Logicamente que ele não atenderá tudo, pois certas aplicações irão pedir outros tipos de tecnologia (radiométrica), mas em grande parte o radar é a melhor opção.

Se olharmos para principais instituições de ensino técnico e superior que tenham instrumentação em sua grade, o conceito de medição de nível por radar é algo que é superficialmente citado e o maior foco fica na medição tradicional de nível por pressão diferencial! Isso faz com que os futuros profissionais tenham na cabeça e obtenham a prática apenas em transmissores de pressão em medição de nível.

Eles saberão configurar um sistema para medir nível com pressão diferencial com instalação por borbulhador (old school), mas não saberão configurar um radar. Digo isso, por conta das constantes visitas em instituições de ensino ou até mesmo em seminários técnicos onde as funcionalidades dos medidores de nível do tipo radar são desconhecidas por muitos.

Voltando para indústria, a facilidade e praticidade tem que fazer parte do dia a dia dos técnicos e engenheiros para facilitar suas vidas. Eu concordo totalmente com esse ponto e a missão do medidor de nível com tecnologia radar é essa, mas isso não quer dizer que em 100% das aplicações ele irá funcionar de “bate e pronto”.

Normalmente a configuração básica é dizer para o medidor o que ele medirá, informando a constante dielétrica do fluido, configurando o formato do tanque e altura de medição (empty e full). Teoricamente com essas configurações o medidor deve funcionar sem nenhum problema, certo? Sim, em 80% das vezes ele irá funcionar muito bem, logicamente que existem outros fatores que podem influenciar nisso e um deles é instalação correta do medidor no tanque.

Mas e quando o medidor de nível não funciona? Nesta etapa que começa a grande injustiça contra medidores do tipo radar, pois o seu não funcionamento pode estar ligado a vários fatores, mas o que poucos sabem é que isso pode ser facilmente corrigido! Vou citar dois tipos de configuração que poucos conhecem ou não sabem utilizar e são ferramentas essenciais para garantir o funcionamento adequado do medidor.

Curva de Envelope

O que é curva de envelope?

O que é realizar a curva de envelope? Será que sabe responder de forma rápida essa funcionalidade do medidor?

Imagine que em seu tanque tem chaves de nível instaladas, vapor ou qualquer outra interferência de sinal, será que isso está impactando na medição do nível? Uma forma de diagnosticar e verificar o que o medidor está visualizando é tirando a curva de envelope. Ela irá mostrar através de um gráfico como está o nível e todas as reflexões que o medidor está visualizando, servindo como diagnóstico dos possíveis problemas que o instrumento está tendo para medição.

Podem existir picos de reflexão por conta de uma chave de nível ou até mesmo por conta da entrada de material no tanque e isso afetará na performance do medidor. Através da curva de envelope é possível visualizar esses picos de reflexão para que seja feito o segundo passo da configuração, garantindo o funcionamento do medidor de forma satisfatória.

Gráfico de Curva de Envelope

A curva vermelha é o que o medidor está visualizando que pode ser o nível ou outras reflexões (ruídos), por conta de alguma interferência já citadas. A curva azul é o mapeamento dinâmico que o medidor realiza sozinho e que em mais de 80% das situações é suficiente para que o radar seja instalado, sem que seja necessário realizar o mapeamento local. A curva preta é a curva do mapeamento estático que é realizado após análise da curva de envelope.

Mapeamento

Após analisar a curva de envelope é necessário fazer o mapeamento e ele tem a função de eliminar os ruídos na curva de envelope que não sejam nível, o ideal na realização do mapeamento é fazer com tanque vazio ou em sua pior situação de processo. É claro que não é tão simples assim esvaziar um tanque para realização do mapeamento, pensando nisso é possível fazer o mapeamento parcial, com tanque em processo normal sem que seja necessário fazer qualquer tipo de mudança.

Essas duas funcionalidades são simples, mas desconhecidas em muitos casos ou os técnicos não tem as ferramentas para que essa configuração seja realizada, tendo apenas o display para configurar e a resolução pode não ser suficiente para essa análise. A planta pode não disponibilizar um configurador de campo ou acesso remoto por um software de gerenciamento de ativos.

Por conta de fatos como esse, levanto novamente o assunto da importância do acesso remoto das informações dos instrumentos, para que ações como essas sejam realizadas de forma fácil e rápida sem que seja necessário subir no tanque para acessar o instrumento. Não faz muito tempo que fui em um cliente e tive que subir no tanque para ajudá-lo em uma configuração de um radar, era meio-dia e o sol estava muito forte eu passei muito calor ali e este tipo de situação pode ser evitada com o acesso remoto.

O radar pode sofrer com isso, pois a instalação não foi bem realizada ou o processo oferece muitas interferências e os técnicos/engenheiros de campo não tem acesso a ferramentas para configuração remota ou até mesmo configuração local. O instrumento acaba levando a culpa de não funcionar corretamente e o antigo transmissor de pressão que oferece inúmeros pontos de acréscimo de erros na medição, é dito como melhor solução.

Para quem não sabe, um transmissor de pressão aplicado a medição de nível pode oferecer inúmeras desvantagens como:

  • Erro na medição por conta da mudança na densidade do fluido
  • Instalação mal feita
  • Potes de selagem
  • Configuração de supressão e elevação de zero erradas
  • Alteração no fluido do capilar por conta da temperatura
  • Entre outras coisas.

Com as ferramentas corretas e o conhecimento adequado o medidor de nível do tipo radar oferecerá uma medição precisa, sem gerar nenhum tipo de dor de cabeça.

Qual sua opinião a respeito? Deixe um comentário, um curtir e compartilhe!

Você conhece a Visaya.Solutions?

Visite meu blog Visaya.Solutions e aprenda mais sobre automação e instrumentação de uma forma mais descontraída! Fazemos product review e a comparamos fabricantes para você saber qual melhor opção para sua aplicação! Corre lá e siga a gente nas redes sociais Visaya.Solutions.

Abraços!